Os Que Confiam No Senhor São Como Os Montes De Sião?

O que quer dizer o Salmo 125 versículo 1?

Decisões e consequências – Deus é justo e bom. Ele vê tudo que acontece e nada passa despercebido. Quando amamos a Deus e fazemos o bem, temos a promessa que Deus vai nos tratar com bondade. Ainda vamos passar por sofrimentos mas não vamos estar sozinhos na luta. Deus vai nos ajudar a superar as dificuldades e vai recompensar a fidelidade.

  1. Mas Deus também vê quem faz o mal.
  2. Ele castiga a injustiça, para que as pessoas aprendam a fazer o bem.
  3. Por algum tempo pode parecer que a injustiça vale a pena mas depois ela traz destruição.
  4. A paz somente existe onde o bem reina.
  5. Confie em Deus e faça o bem, e ele será sua segurança! Veja também: : Os que confiam no Senhor.

Salmo 125 – Estudo Bíblico

O que significa os que confiam no Senhor serão como os montes de Sião?

“Por Que os Que Confiam no Senhor São Como o Monte de Sião?” Por Que os Que Confiam no Senhor São Como o Monte de Sião? A Bíblia diz que os que confiam no Senhor são como o monte de Sião que não se abala, mas permanece para sempre. Isso significa que todos aqueles que colocam absoluta fé em Deus são inabaláveis, tal como é o monte Sião.

  • Essas palavras fazem parte dos Salmos de Romagem e por isso eram entoadas pelos peregrinos judeus (Salmo 125:1).
  • Eles cantavam sobre a fé sólida e firme em Deus comparando os crentes ao monte Sião que lhes era tão significativo e importante.
  • Os que confiam no Senhor A declaração: “Os que confiam no Senhor” é tão simples e ao mesmo tempo tão profunda.

O verbo confiar traduz uma palavra hebraica que transmite o sentido de “estar seguro”, “confiante”. Alguém pode perguntar: O que significa confiar em Deus? De fato esta é uma pergunta que exige uma resposta tão rica e ampla que pode ser abordada de diferentes aspectos; mas sem dúvida, seja qual for o sentido pretendido com a expressão “confiar em Deus”, sua essência comum não pode ser outra se não a ideia de se sentir seguro e despreocupado através da inabalável e genuína fé que leva o crente a descansar sob o alicerce da verdade de Deus.

  1. Como bem observa Derik Kidner, a declaração: “Os que confiam no Senhor” revela uma das muitas facetas do nosso relacionamento com Deus.
  2. Os que confiam no Senhor são também aqueles que o temem, o amam e o conhecem.
  3. São aqueles que compreendem sua total dependência d’Ele.
  4. O que mais podemos dizer daqueles que confiam no Senhor? John Gill explica que os que confiam no Senhor são aqueles que não confiam em si mesmos; são aqueles que não depositam sua confiança em seus próprios corações, em suas próprias forças e habilidades.

Uma pessoa que confia no Senhor não confia em sua própria sabedoria, riqueza ou retidão. Essa pessoa também jamais direciona a confiança que só pode ser depositada em Deus a qualquer outra pessoa; mesmo que seja o mais poderoso e notável dos homens. Os que confiam no Senhor são aqueles que erguem seus olhos para o Soberano do Universo e encontram conforto em sua providencia.

  • São como o monte de Sião que não se abala A cidade de Jerusalém é cercada por vários montes.
  • Mas o monte de Sião citado pelo salmista sem dúvida é o que abrigava o Templo do Senhor que havia sido construído em Jerusalém; bem como o palácio real.
  • Esse monte é usado frequentemente nas Escrituras como figura da habitação de Deus com seu povo e da estabilidade das promessas de sua aliança.

Saiba mais sobre o significado do monte Sião. Então quando o salmista diz que os que confiam no Senhor são como o monte de Sião que não se abala, ele está falando da segurança e estabilidade espirituais que essas pessoas desfrutam. Vivemos num mundo em constante mudança; num mundo onde todas as coisas parecem ser tão passageiras e os valores tão descartáveis.

Porém, os que confiam no Senhor são inabaláveis e permanecem para sempre. Mas permanece para sempre O relacionamento do verdadeiro crente com Deus não é um mero relacionamento superficial; mas é um vínculo que jamais poderá ser removido e se estenderá pela eternidade. Permanecer para sempre é para sempre, não menos que isso.

Mas os crentes permanecem inabaláveis não porque há alguma capacidade neles que os preserva além dos incrédulos, mas porque é o próprio Deus quem os preserva até o fim (1 Coríntios 1:8; 2 Coríntios 1:21-24). Os que confiam no Senhor são inabaláveis porque eles são edificados sobre o fundamento que é Cristo, a Pedra principal da esquina (2 Pedro 2:4-8).

  • Pela fé salvadora, eles estão firmes na graça de Deus (Romanos 5:2; Gálatas 5:1).
  • Então os que confiam no Senhor permanecem firmes e atravessam com confiança as aflições, tentações, dificuldades e quaisquer que sejam as circunstancias adversas.
  • Eles sabem que não há nada que possa separá-los do amor de Deus que está em Cristo Jesus (Romanos 8:37-39).

: “Por Que os Que Confiam no Senhor São Como o Monte de Sião?”

O que o Salmo 125 nos ensina?

Como observamos no estudo de vários Salmos, não temos informações suficientes para identificar autores nem datas de muitos. Alguns comentaristas atribuem todos os Salmos de romagem (Salmos 120 a 134) a Davi ou contemporâneos dele. Pelas informações dos cabeçalhos, podemos identificar Davi como autor de quatro desses Salmos (122, 124, 131 e 133), e Salomão, o filho dele, como compositor de mais um (127).

Não sabemos quem escreveu os outros Rejeitando a ideia que todos esses Salmos pertencem ao período do primeiro templo, muitos outros estudiosos acreditam que alguns, inclusive o Salmo 125, se ajustam ao período pós exílico, tratando dos desafios que os judeus encararam quando voltaram para reconstruir o templo.

A divergência sobre essa questão serve para enfatizar o valor desse hino para todos os tempos, pois ensina princípios eternos sobre a comunhão dos fiéis com o Senhor. “Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre.

  1. Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o SENHOR, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre” (versos 1 e 2).
  2. Já ouviu alguém descrever uma pessoa vacilante como “firme igual a prego na areia”? Essa imagem de Deus é exatamente oposta à fraqueza e incerteza características de homens.

É difícil imaginar algo mais firme do que uma montanha, uma figura que representa autoridade e poder nas Escrituras. O templo em Jerusalém foi construído sobre um monte, e o poder protetor de Deus é descrito aqui como montes cercando a cidade. “O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniquidade” (verso 3).

  1. Montanhas permanecem, mas o poder dos injustos é passageiro.
  2. Podem dominar sobre pessoas boas por um tempo, mas não prevalecerão.
  3. Se não tivéssemos essa confiança da vitória do bem sobre o mal, a tentação de adotar as táticas dos ímpios seria muito forte.
  4. Quando acreditamos, porém, na justiça divina, temos um forte motivo para fazer o que é certo em todos os momentos.

Se esse Salmo for do tempo de Davi, uma referência imediata seria o livramento que Deus deu para esse servo diante das ameaças do rei Saul, quando Davi era jovem, e do próprio filho Absalão, quando já era mais velho. Se for do tempo da volta do cativeiro, os ímpios que não conseguiram dominar os fiéis incluiriam os adversários que tentaram impedir as obras em Jerusalém (Esdras 4 e 5; Neemias 6 etc.).

Sem saber o contexto histórico específico, ainda entendemos a importância de confiar em Deus para nos livrar da mão de homens maus. “Faze o bem, SENHOR, aos bons e aos retos de coração” (verso 4). A confiança dos justos é depositada em Deus, o único que sempre demonstra a justiça em tudo que se faz. Lembrando que esse Salmo era um hino de romagem ou subida, imaginamos os judeus fiéis chegando à casa do Senhor com esse desejo de serem abençoados por Deus.

“Quanto aos que se desviam para sendas tortuosas, levá-los-á o SENHOR juntamente com os malfeitores” (verso 5). Tanto no tempo de Davi quanto no período depois do cativeiro na Babilônia, traidores ameaçaram o bem de Israel. Alguns servos de Davi viraram contra seu rei, e vários líderes, depois do cativeiro, tomaram passos que ameaçaram levar a nação de volta para a idolatria.

A sobrevivência do reino de Davi e o sucesso da reconstrução do templo, 500 anos depois, dependeram da proteção e justiça do Senhor, que livrou os fiéis dessas ameaças. “Paz sobre Israel!” (verso 5). Davi, Zorobabel, Esdras, Neemias e outros grandes líderes em Jerusalém, governando em séculos diferentes, procuraram a segurança e paz para o povo de Israel.

Os servos do Senhor hoje, aqueles que chegam a Jerusalém celestial (Hebreus 12:22-24), buscam em Jesus Cristo a mesma paz na sua expectativa da vida eterna com Deus! -por Dennis Allan ESTUDOS BÍBLICOS PESQUISAR NO SITE MENSAGENS EM ÁUDIO MENSAGENS EM VÍDEO ESTUDOS TEXTUAIS ANDANDO NA VERDADE O QUE ESTÁ ESCRITO? O QUE A BIBLIA DIZ? O Que Esta Escrito? ©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009 Redator: Dennis Allan, C.P.500 – Jarinu – SP – CEP: 13240-970 Andando na Verdade ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008 Redator: Dennis Allan, C.P.500 – Jarinu – SP – CEP: 13240-970 Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho.

You might be interested:  Como Transformar Fração Em Decimal?

Quem escreveu os que confiam no Senhor?

Os Que Confiam No Senhor – Marcos Góes – LETRAS.MUS.BR.

Porque temos que confiar em Deus?

Confie em Deus | O TEMPO Querido (a), Deus lhe ama e quer o melhor para sua vida. Na nossa caminhada com o Senhor não existe o chamado acaso, sorte, o que existe é algo chamado colheita, pois colhemos aquilo que plantamos. Você jamais colherá o que não plantou, e todos nós precisamos compreender esse ensinamento baseado na Palavra de Deus.

Quando temos a compreensão da colheita, nos voltamos para o Senhor, entregamos nosso caminho a Ele e a nossa vida entra em uma dimensão totalmente diferente. Veja o que diz o Senhor no Salmo 37, versos de 3 a 5: “Confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado. Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração.

Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nEle, e Ele o fará”. Talvez, ao ler esta passagem bíblica, você esteja pensando: “Ah, pastor, como tudo teria sido diferente em minha vida se eu tivesse ouvido essa mensagem há tempos”. Querido (a), não sofra com esse pensamento, o que importa é que ainda há tempo para você se livrar das confusões, opressões e problemas que têm assolado sua vida.

  1. Tudo o que você precisa fazer nesta hora é crer no Senhor, e crer não é acreditar, porque tem pessoas que acreditam, mas não confiam.
  2. Você precisa confiar em Deus, pois a nossa relação com Ele tem que ser uma relação de confiança.
  3. Mas não basta apenas confiar no Senhor, é preciso também alimentarmos da sua verdade.

Nós somos aquilo que comemos. Nosso corpo físico é mantido pelos nutrientes que são passados por meio dos alimentos que consumimos, mas o nosso espírito, que é o que realmente somos, se alimenta da verdade, e a verdade tem um nome: Jesus. Cristo é a verdade.

  • Ele disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, bem como falou “quem de mim se alimenta, por mim viverá”.
  • Jesus é a verdade que alimenta, e quem se alimenta dEle, das suas palavras, da sua vida, viverá por Ele.
  • Cristão não é aquele que é da religião de Cristo, mas aquele que tem a vida de Cristo dentro dEle.

Agrada-te do Senhor em sua caminhada, faça de Deus a sua paixão, faça dEle o primeiro em sua vida. Imagino que você tenha tantos sonhos, projetos e desejos, os quais quer vê-los realizados; no entanto, você precisa crê que eles realmente serão concretizados; e a pessoa mais interessada em ver você conquistando todos seus sonhos de uma forma vitoriosa é o nosso Senhor.

  1. Eu não sei quais são os desejos do seu coração, mas o Senhor sabe de todos eles; e o prazer de Deus não é apenas ter o conhecimento desses desejos, mas satisfazê-los.
  2. Pode parecer estranho o que vou lhe dizer, mas é importante que saiba que você não é um bonequinho de marionete nas mãos de Deus.
  3. O Senhor lhe deu livre arbítrio, você é livre tanto para voltar-se para Ele quanto para lhe dar as costas, mas o que Ele deseja é que você possa vir para seus braços, pois Ele lhe chama, Ele lhe ama; e esse é o momento de você aproximar-se do Pai.

Se você agradar-se do Senhor, Ele satisfará os desejos do seu coração. Aquilo que você tanto almeja será realizado, não perca a esperança. Deixe esse desânimo de lado, confie no Senhor e permita que Ele transforme seus projetos em realidade, pois somente Jesus é quem pode mudar realmente sua perspectiva de ver sua história.

Você precisa experimentar o quanto vale a pena caminhar com Jesus, viver com Ele e acordar a cada dia proclamando: “Este é o dia que o Senhor fez. Alegremo-nos e regozijemo-nos nele”. Procure viver intensamente cada momento da sua vida na presença do Senhor, pois o resto será apenas o resto. A Bíblia nos diz que Deus pode fazer infinitamente mais além daquilo que pedimos ou pensamos, conforme seu poder que em nós opera.

Sendo assim, não perca tempo, confie no Senhor e certamente verá o cumprimento de suas promessas para sua vida. Creia! Deus os abençoe! : Confie em Deus | O TEMPO

O que significa confiança no senhor?

Exercer fé significa confiar que o Senhor sabe o que está fazendo conosco e que Ele o faz para nosso eterno bem, mesmo que não compreendamos como Ele conseguirá fazê-lo. Somos como bebês quanto ao entendimento de assuntos eternos e do impacto que nos causam aqui na mortalidade.

O que o Salmos 126 nos ensina?

Pais e Filhos – O relacionamento entre pais e filhos é um dos mais profundos e significativos que podemos experimentar. O Salmo 126 nos oferece importantes reflexões sobre este vínculo sagrado. Primeiramente, o Salmo 126 reforça o conceito de esperança.

Como pais, muitas vezes nos encontramos preocupados com o futuro de nossos filhos. No entanto, este Salmo nos ensina a confiar em Deus e acreditar em sua fidelidade. Assim como Deus restaurou a sorte de Sião, Ele está ativamente trabalhando na vida de nossos filhos, mesmo que não consigamos ver. Além disso, o Salmo 126 nos ensina sobre a importância do exemplo.

Ao viver a alegria da salvação e compartilhar os “feixes” de bênçãos que colhemos com nossos filhos, damos a eles um testemunho tangível da graça de Deus. Finalmente, para os filhos, o Salmo 126 pode ser uma recordação de que o amor e o cuidado de seus pais são reflexos do amor e cuidado de Deus.

Mesmo nos momentos de correção (“semeando com lágrimas”), há um propósito amoroso e uma promessa de alegria. Portanto, o Salmo 126, com sua rica tapeçaria de imagens e promessas, oferece um modelo de esperança, perseverança e alegria para as famílias, tanto no contexto do casamento quanto na dinâmica entre pais e filhos.

Ao aplicar suas verdades em nosso contexto familiar, permitimos que a Palavra de Deus molde nossos lares, trazendo restauração, alegria e bênçãos abundantes. Aplique este tópico para trabalhar dentro do Ministério da Família,

O que quer dizer monte de Sião na Bíblia?

A palavra Sião tem vários significados nas escrituras. A definição mais geral da palavra é ‘ o puro de coração ‘ (D&C 97:21). A palavra Sião é frequentemente usada para referir-se ao povo do Senhor ou à Igreja e a suas estacas (ver D&C 82:14). Também foi usada para referir-se a locais geográficos específicos.

O que o Salmo 121 quer nos ensinar?

Estudo sobre o Salmo 121 – O Salmo 121 faz parte de um conjunto de salmos (120 a 134), que é descrito na Bíblia como “Cânticos de Peregrinação” ou “Cânticos de Degraus”. Acredita-se que esses salmos eram cantados ou recitados pelos judeus quando caminhavam para Jerusalém para celebrar as suas festas religiosas.

  • Essas caminhadas ou peregrinações eram cercadas de perigos.
  • Animais selvagens ou assaltantes desciam dos montes onde, muitas vezes, estavam escondidos.
  • O salmista, então, pergunta: “Levanto os meus olhos para os montes.
  • De onde me vem o socorro?” Salmo 121:1 Ele está, provavelmente, pensando no perigo que os montes poderiam trazer à medida que eles caminhavam.

O autor desse salmo está a lidar com o medo. Um dos grandes problemas que a humanidade enfrenta, até hoje, é o medo. Temos medo de perder a saúde, medo de perder dinheiro, medo de perder um familiar, medo de perder a vida. O medo pode ser paralisante.

  • Quem está a caminho de algo, não pode se deixar paralisar pelo medo.
  • O próprio salmista responde à pergunta que ele faz no primeiro versículo: “O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.” Salmo 121:2 Aprendemos aqui que, para vencermos o medo, precisamos retirar o nosso olhar dos “montes” (situações adversas), colocando o nosso foco na presença de Deus, que está ao nosso lado nessa caminhada da vida, e nos protege do mal.

A partir do terceiro versículo, podemos ver três características dessa presença protetora de Deus. Ao refletirmos sobre essas características, podemos encontrar forças para superarmos os nossos medos:

Quem escreveu o Salmo 125 e por quê?

Spurgeon: Salmo 125 TÍTULO Um cântico de degraus. Mais um passo é dado na subida, outra estação é alcançada na peregrinação: certamente uma elevação no sentido é perceptível, visto que a plena segurança em relação aos anos que virão é uma forma mais elevada de fé do que as atribuições que ventilamos como sendo chegadas ao Senhor.

A fé louvou a Jeová por livramentos passados, e ali ela se levantou perante um júri que confiou na segurança presente e futura de crentes. Ela afirma que para sempre estarão protegidos aqueles que se confiam ao Senhor. Podemos imaginar os peregrinos cantarolando este cântico quando caminhavam pelos muros da cidade.

Não afirmamos que Davi escreveu este salmo, mas temos tanta base para fazer isso como outros têm para declarar que foi escrito depois do cativeiro. Parece provável que todos os Salmos de Peregrinação foram compostos, ou pelo menos compilados, pelo mesmo escritor, e como alguns deles são certamente da autoria de Davi, então não há razão para negar-lhe os outros.

  1. DIVISÃO Primeiro temos um cântico de confiança santa (Sl 125.1-2); depois uma promessa, Sl 125.3; seguida de uma oração, Sl 125.4; e uma nota de advertência.
  2. DICAS PARA O PREGADOR O salmo todo.1.
  3. A marca da aliança: “Os que confiam”.2.
  4. A certeza da aliança (Sl 125.1-2).3.
  5. A vara, o cetro da aliança (Sl 125.3).4.

O teor da aliança (Sl 125.4).5. O espírito da aliança – “paz”. VERS.1. Spurgeon intitulou um sermão sobre o salmo: “A imortalidade do crente”. VERS.1-2.1. A qualidade singular do crente: ele confia em Jeová.2. A estabilidade do crente: “permanece para sempre”.3.

A segurança do crente: “Como os montes”. VERS.2. A presença de Jeová que a tudo circunda, a glória, segurança e eterna bem-aventurança de seu povo. Contudo para os maus isso seria inferno. VERS.2. Tema de um sermão: “A segurança da igreja”. VERS.2. A misericórdia durável: “desde agora e para sempre”. VERS.2.

Santos cercados de amor infinito.1. A Cidade dentro do Cinturão de Proteção, ou os símbolos separados. (a) Jerusalém representando o povo de Deus. Escolhidos na antigüi-dade; honrados singularmente; muito amados; o santuário de Deus. (b) Circunvalação Onipotente, sugerindo: o propósito firme de Deus; o desalento de Satanás.

Esse anel montanhesco é imutável (W.B. Haynes, de Stafford). VERS.3. Observe: 1. A permissão implícita. A vara dos maus pode cair em cima da sorte dos justos. Por quê? (a) Para que a maldade possa ter a liberdade de manifestar-se. (b) Para que os justos possam ser forçados a odiar o pecado. (c) Para que a justiça da retribuição de Deus seja vista.

You might be interested:  Como Fazer Dobradinha Com Feijão Branco?

(d) Para que as consolações dos justos possam existir em abundância (2Co 1.5).2. A permanência negada: “O cetro dos ímpios não prevalecerá”. Ilustrar com a história de Jó, José, Davi, Daniel, Cristo, mártires.3. A probidade experimentada e preservada: “Se assim fosse, até os justos praticariam a injustiça”.

Por rebelião, comprometimento pecaminoso. (a) Deus fará com que ela seja experimentada, para testar seu valor, beleza. (b) Mas não testada mais do que o suficiente (John Field, de Sevenoaks). VERS.3-4.1. Os bons definidos: “Os que fazem o bem”; “que não se desviam”, e não “praticam a injustiça”.2. Os bons são afligidos: pelo “cetro dos ímpios”.3.

Os bons são livrados: “Faze o bem”; cumpra sua promessa (Sl 125.3) (W.H.J. Page). VERS.4.1. O que é ser bom.2. O que é Deus nos fazer bem. VERS.5. Os que professam temporariamente.1. O teste crucial: “Eles se desviam”.2. A política torta: fazem seus os caminhos tortos.3.

  • A condenação esmagadora: “serão conduzidos para fora com os malfeitores”. VERS.5.
  • Hipócritas.1.
  • Seus caminhos: “tortuosos”.
  • A) Como o caminho sinuoso de um ribeiro, buscando o nível ou a descida fácil.
  • B) Como o curso de uma embarcação manobrando habilmente para fazer com que todo vento a leve à frente.

(c) Caminhos construídos sobre nenhum princípio senão o do puro egoísmo.2. Sua conduta sob experiência. Eles se “voltam”, desviando-se: (a) De sua confissão religiosa. (b) De seus antigos companheiros. (c) Para se tornarem os piores desprezadores de coisas espirituais, e os mais violentos caluniadores de homens voltados ao espiritual.2.

  • Sua sentença: “O Senhor infligirá”.
  • A) No juízo serão classificados junto com os mais flagrantes dos pecadores; “com os malfeitores”.
  • B) Serão desmascarados por um poder irresistível: “O Senhor infligirá o castigo”.
  • C) Eles enfrentarão a terrível execução com os malfeitores no inferno (J. Field). VERS.5.

(última cláusula). A quem a paz pertence. A “Israel”; os escolhidos, o ex-lutador, agora o príncipe que prevalece. Considere a vida de Jacó depois que obteve o nome de Israel; observe suas provações, e a segurança nessas condições como ilustração deste texto.

  1. Então aceite o texto como sendo uma promessa segura. VERS.5.
  2. Última cláusula).
  3. Pergunte: 1.
  4. Quem são o Israel? (a) Pessoas convertidas.
  5. B) Os circuncisos no coração.
  6. C) Os verdadeiros adoradores.2.
  7. O que é a paz? (a) Paz de consciência.
  8. B) De amizade com Deus.
  9. C) De um coração abalizado e satisfeito.
  10. D) De glória eterna, como posse futura.3.

Por que a certeza daquilo que haverá “para sempre”? (a) Cristo fez a paz para eles. (b) O Espírito Santo lhes traz paz. (c) Eles andam no caminho da paz (J. Field). : Spurgeon: Salmo 125

O que significa o Salmo 127?

O Salmo 127 é um salmo que ensina que sem Deus, todo esforço humano é inútil, quer seja em pequenas ou grandes dimensões. Este texto também menciona que Deus cuida e sustenta os seus amados.

Porque Davi escreveu o Salmo 124?

Salmo 124 — Se não fora o Senhor Ainda seguindo nossa jornada pelos cânticos de romagem, o Salmo 124 é uma forma de relembrar o povo de Jerusalém do livramento a eles concedido pelo Senhor. Sem Ele, estariam todos devastados e, apesar de todos os pecados de Israel, Deus os livrou de seus predadores.

Escrito por Davi, o Salmo 124 fala sobre o importante processo de libertação que Deus operou para si e seu povo. As palavras do salmista são cuidadosas, e humildemente dedicam toda a Glória ao Senhor; à bondade de Deus. Se não fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, ora diga Israel; Se não fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós, Eles então nos teriam engolido vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós.

Então as águas teriam transbordado sobre nós, e a corrente teria passado sobre a nossa alma; Então as águas altivas teriam passado sobre a nossa alma; Bendito seja o Senhor, que não nos deu por presa aos seus dentes. A nossa alma escapou, como um pássaro do laço dos passarinheiros; o laço quebrou-se, e nós escapamos.

Qual é o salmo Os que confiam no Senhor?

Última modificação 2020-05-13T12:37:31-03:00 Reflexões – Pastoral Universitária O salmo 125: 01-03 nos diz: Os que confiam no Senhor são como o monte de Sião, que não se abala, firme para sempre. Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o Senhor, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre.

O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniquidade. Li este Salmo esta semana e fiquei pensando no sentido dele. Geralmente, assim como sugere o salmista, pensamos na proteção do Senhor sobre o seu povo. E é realmente muito reconfortante nos inspirarmos N’ele para suportar as dificuldades e desafios da vida.

Em meio a este pensamento me veio a imagem dos montes em volta de Jerusalém. São eles, montes Sião, Moriá, das Oliveiras. O salmista afirma que assim como os montes estão em volta de Jerusalém, assim o Senhor, em volta do seu povo. E em vez de pensar em proteção, pensei em presença.

Um monte pode representar uma barreira protetora, mas também, uma presença clara e incontestável. E entendi que assim é Deus, sempre presente ao nosso redor. Mas o salmo não inicia falando de Deus. Na verdade, começa falando dos que confiam no Senhor. Se nós cremos em um Deus que é presente e forte, precisamos imaginar esta imagem em nós.

Pessoas presentes e fortes. Quando somos fortes? Quando confiamos no Senhor! Quando somos presentes? Quando não abandonamos a nossa realidade. Confiantes no Senhor e na Sua orientação, vivemos a vida. Aleluia! Deus é presente! Deus se relaciona com a gente e permanece conosco, seja onde for.

Quando confiamos no senhor?

Os que confiam no Senhor são aqueles que têm uma fé genuína em Deus e em tudo o que Ele fez, faz e disse na Sua Palavra. A fé cristã tem alicerces firmados na verdade e na fidelidade de Jesus Cristo e atua mediante a ação do Espírito Santo que guia o crente até o conhecimento da Verdade ( 13 Mas, quando o Espírito da verdade vier, ele os guiará a toda a verdade. Não falará de si mesmo; falará apenas o que ouvir, e anunciará a vocês o que está por vir.”>João 16:13 ). A confiança em Jesus é um dom concedido por Deus a todos que, com corações submissos, aceitam o amor, fé e esperança dadas de graça ( 8 Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus;”>Efésios 2:8 ). Assim, a fé não se trata de uma emoção ou experiência momentânea, mas é a confiança real e prática no Senhor Deus para toda a vida. É desenvolvida através de um relacionamento pessoal com Deus, baseado no amor, fidelidade e apreço à Bíblia Sagrada. Os que confiam em Deus não são meros cristãos nominais ou simpatizantes do cristianismo, mas pessoas que tiveram as suas vidas transformadas por Ele. Quem confia faz-se amigo de Deus. A amizade com Deus só é possível através da mediação de Jesus Cristo e da atuação do Espírito Santo no coração do crente ( 5 Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus,”>1 Timóteo 2:5 ). Veja a seguir oito características particulares dos que confiam em Deus:

O que aconteceu no monte de Sião?

A História de Monte Sião – Registros datados de 1790 narram o fim do ciclo do ouro na região denominada Arraial de Ouro Fino, distrito de São Pedro, o que gerou o êxodo de garimpeiros em busca de terras para a instalação de nova atividade, no caso a pecuária e a agricultura.

  • Essa corrida pela posse de boas terras iniciava a colonização da área localizada ao pé do Morro Pelado e às margens do Rio das Pedras, local coberto por densa mata.
  • Por volta de 1819, os primeiros moradores instalaram-se na região, construindo suas moradias quem comunicavam-se entre si por trilhas abertas na mata.

Esse primeiro núcleo populacional, o embrião que iria gerar Monte Sião, recebia sua primeira denominação em 1823, Bairro do Eleotério. Com a formação da capela de Nossa Senhora do Socorro e a demarcação de suas divisas, grande parte das terras onde se localizava o Bairro do Eleotério passavam a essa jurisdição eclesiástica, o que desagradaria em muito as autoridades da vizinha Freguesia de São Francisco de Paula de Ouro Fino.

  1. Com o desenvolvimento do Bairro do Eleotério, surgiam as primeiras lideranças responsáveis pela manutenção da ordem, administração e do próprio crescimento daquele povoado.
  2. Major Antônio Bernardes de Souza, tenente Joaquim Vaz de Lima, Francisco Rodrigues da Costa e Francisco Nogueira Bastos foram os primeiros responsáveis pela manutenção da ordem pública e administrativa.

O fazendeiro Major Antônio Bernardes de Souza, de 35 anos, destacava-se como uma das principais lideranças da época. O próprio Major encabeçou o movimento pela construção de uma capela no povoado, apresentando como justificativa as frequentes enchentes do Rio Mogi que impediam os fiéis de se deslocarem a pé ou a cavalo, até a paróquia de Ouro Fino.

O início de Monte Sião No dia 29 de março de 1849 o Major Antônio atingia o seu objetivo. A comunidade recebia a autorização para a construção de uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição da Medalha Milagrosa. Nascia assim Monte Sião, que receberia esse nome por sugestão de missionários franciscanos, que repararam na semelhança do Morro Pelado com o Mont Sion em Jerusalém.

Imigração Italiana A imigração italiana teve seu início a partir de 1887 e vinha dar um novo impulso às atividades rurais, especialmente à cultura do café. Aquela gente simples e alegre, carregava a esperança de uma vida melhor. Com a imigração, Monte Sião conhecia uma nova era de desenvolvimento na sua agricultura.

O que gera a confiança?

4. Demonstre acreditar no potencial das pessoas – A confiança está muito ligada a acreditar nos outros. Ao acreditar no potencial do seu time ou do seu par, naturalmente gera-se um ambiente de confiança. Além disso, quando uma pessoa sente que aqueles ao seu redor acreditam no seu potencial, consequentemente ela se sente mais confiante e preparada para atingir os seus objetivos.

Como depositar a confiança em Deus?

Você gostaria de depositar a sua confiança totalmente no Senhor? A receita é simples: ‘Filho meu, dá-me o teu coração; mantenha os teus olhos em meus caminhos’. (Provérbios 23:26) O coração tem que ser totalmente de Deus. Não pode estar dividido.

You might be interested:  Como Fazer Calda De Pudim?

Qual a diferença entre fé e confiança na Bíblia?

A fé focaliza mais a descoberta da salvação eterna de Deus e a confiança focaliza mais a descoberta da provisão diária de Deus. A fé está mais perto da teoria e a confiança está mais perto da conduta.

O que Deus diz sobre momentos difíceis?

Nos momentos difíceis, não temas | O TEMPO Existem pessoas que estão passando por situações delicadíssimas, problemas muito maiores do que os nossos. O que lemos na Palavra de Deus não é para termos apenas o relato histórico, mas para encarnarmos, vivermos as lições que o Senhor nos traz por meio desses acontecimentos (leia Mateus 14).

  1. A cada momento podemos passar, experimentar situações delicadas, seja na família, na área financeira ou sentimental.
  2. Jesus experimentou a dor, e por meio de Sua vida podemos aprender a lidar com situações difíceis.
  3. Jesus era primo de João Batista.
  4. Tinham uma ligação de parentesco e amizade, além disso, João anunciava as boas-novas da vinda de Jesus.

Então, quando soube que João Batista tinha sido decapitado, diz a Palavra de Deus que Ele “retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, à parte”. Há momentos em que as coisas da vida ficam tão difíceis, a dor, as lágrimas, as pressões estão tão presentes que sentimos a necessidade de nos afastar.

Tem horas em que queremos ficar sozinhos com a nossa dor, chorar sozinhos e não queremos que ninguém escute os nossos gemidos. Nós nos identificamos com Jesus. Jesus sentiu o que sentimos, Ele era Deus, mas também homem, havia dentro do coração dele o mesmo sentimento; por isso, retirou-se para ficar só.

Como homem, não era diferente de nós. Jesus veio ao mundo para mostrar quem é Deus, como Deus é; e tinha os sentimentos de um ser humano. Então, partindo para o deserto viu que uma grande multidão o seguia, e compadeceu-se dela, curou enfermos e realizou assim a multiplicação dos pães.

Logo após alimentar a multidão e despachar as pessoas para suas casas, Jesus mandou que os discípulos entrassem no barco e passassem para o outro lado (verso 22), enquanto Ele despedia a multidão. O nosso chamado é para caminharmos após Jesus, mas existem momentos em que Jesus nos manda ir à frente dele, e, quando isso acontece, Ele tem um propósito para nós e nunca nos deixa sozinhos.

Tudo corria bem, estava tranquilo, os discípulos estavam no barco, e Jesus, no monte. Os discípulos remavam e no meio do mar houve uma tempestade, o vento soprava com fúria. O texto diz: “açoitado pelas ondas”. Quem sabe você esteja passando por dificuldades, enfrentando tempestades na sua vida, como se fossem ondas que açoitam suas emoções, sua família, seus relacionamentos.

  1. São dias difíceis, e parece que a vida não avança.
  2. Mas veja o que a Palavra diz no verso 26 de Mateus 14: “À quarta vigília da noite, foi Jesus ter com eles, andando sobre o mar”.
  3. O Senhor tem hora certa para chegar, o tempo Dele não é o nosso tempo.
  4. Ele não adianta nem atrasa, mas sempre chega no momento exato.

Nunca diga: Senhor, seu relógio está atrasado. Jesus disse: “Meu Pai trabalha até agora e eu trabalho também”. Não permita nunca que seu coração tenha qualquer outro sentimento a não ser a certeza de que Jesus sabe o que está acontecendo e, na hora certa, trará o socorro.

Ele sabia o que estava acontecendo aos seus discípulos e foi até eles andando por sobre as águas. As adversidades vêm, mas você experimenta a intervenção do Senhor. O verso 27 de Mateus 14 diz o seguinte: “Jesus, porém, imediatamente lhes falou, dizendo: Tende ânimo; sou eu; não temais”. Jesus está sempre pronto e se revela de modo diferente para cada um de nós.

Jesus pode acalmar a tempestade com um sopro, ou pode deixar a tempestade por um tempo, mas a certeza que podemos ter é que Ele não nos deixa naufragar. A primeira expressão de Jesus foi: “Não temais”. Ele estava dizendo: “Eu sou livre para chegar a vocês da maneira que eu quiser”.

O que significa o monte de Sião?

O que significa “Sião” na palavra de Deus? – Santuário Basílica de São Sebastião Frades Capuchinhos Wikipedia Alberto Andrade / A12 Redação Quando lemos a Sagrada Escritura, ou ouvimos alguma música cristã ou mesmo alguma reflexão, o nome ou a palavra Sião, aparece muitas vezes e nos mostrar diferentes significados e lugares descritos na Bíblia. O nome Sião, simplesmente significa “fortaleza” para uma cidade, mas também é usado para se referir à colina em Jerusalém sobre a qual o Templo foi construído.

O que quer dizer Filhos de Sião?

A frase ‘filha de Sião’ é um tipo de designação que se refere de forma afetuosa e personificada à cidade de Jerusalém. Isso significa que a expressão ‘filha de Sião’ pode ser classificada como um sinônimo poético para ‘Jerusalém’.

Quem escreveu o Salmo 125 1?

Spurgeon: Salmo 125 TÍTULO Um cântico de degraus. Mais um passo é dado na subida, outra estação é alcançada na peregrinação: certamente uma elevação no sentido é perceptível, visto que a plena segurança em relação aos anos que virão é uma forma mais elevada de fé do que as atribuições que ventilamos como sendo chegadas ao Senhor.

A fé louvou a Jeová por livramentos passados, e ali ela se levantou perante um júri que confiou na segurança presente e futura de crentes. Ela afirma que para sempre estarão protegidos aqueles que se confiam ao Senhor. Podemos imaginar os peregrinos cantarolando este cântico quando caminhavam pelos muros da cidade.

Não afirmamos que Davi escreveu este salmo, mas temos tanta base para fazer isso como outros têm para declarar que foi escrito depois do cativeiro. Parece provável que todos os Salmos de Peregrinação foram compostos, ou pelo menos compilados, pelo mesmo escritor, e como alguns deles são certamente da autoria de Davi, então não há razão para negar-lhe os outros.

DIVISÃO Primeiro temos um cântico de confiança santa (Sl 125.1-2); depois uma promessa, Sl 125.3; seguida de uma oração, Sl 125.4; e uma nota de advertência. DICAS PARA O PREGADOR O salmo todo.1. A marca da aliança: “Os que confiam”.2. A certeza da aliança (Sl 125.1-2).3. A vara, o cetro da aliança (Sl 125.3).4.

O teor da aliança (Sl 125.4).5. O espírito da aliança – “paz”. VERS.1. Spurgeon intitulou um sermão sobre o salmo: “A imortalidade do crente”. VERS.1-2.1. A qualidade singular do crente: ele confia em Jeová.2. A estabilidade do crente: “permanece para sempre”.3.

A segurança do crente: “Como os montes”. VERS.2. A presença de Jeová que a tudo circunda, a glória, segurança e eterna bem-aventurança de seu povo. Contudo para os maus isso seria inferno. VERS.2. Tema de um sermão: “A segurança da igreja”. VERS.2. A misericórdia durável: “desde agora e para sempre”. VERS.2.

Santos cercados de amor infinito.1. A Cidade dentro do Cinturão de Proteção, ou os símbolos separados. (a) Jerusalém representando o povo de Deus. Escolhidos na antigüi-dade; honrados singularmente; muito amados; o santuário de Deus. (b) Circunvalação Onipotente, sugerindo: o propósito firme de Deus; o desalento de Satanás.

  1. Esse anel montanhesco é imutável (W.B.
  2. Haynes, de Stafford). VERS.3.
  3. Observe: 1.
  4. A permissão implícita.
  5. A vara dos maus pode cair em cima da sorte dos justos.
  6. Por quê? (a) Para que a maldade possa ter a liberdade de manifestar-se.
  7. B) Para que os justos possam ser forçados a odiar o pecado.
  8. C) Para que a justiça da retribuição de Deus seja vista.

(d) Para que as consolações dos justos possam existir em abundância (2Co 1.5).2. A permanência negada: “O cetro dos ímpios não prevalecerá”. Ilustrar com a história de Jó, José, Davi, Daniel, Cristo, mártires.3. A probidade experimentada e preservada: “Se assim fosse, até os justos praticariam a injustiça”.

  • Por rebelião, comprometimento pecaminoso.
  • A) Deus fará com que ela seja experimentada, para testar seu valor, beleza.
  • B) Mas não testada mais do que o suficiente (John Field, de Sevenoaks).
  • VERS.3-4.1.
  • Os bons definidos: “Os que fazem o bem”; “que não se desviam”, e não “praticam a injustiça”.2.
  • Os bons são afligidos: pelo “cetro dos ímpios”.3.

Os bons são livrados: “Faze o bem”; cumpra sua promessa (Sl 125.3) (W.H.J. Page). VERS.4.1. O que é ser bom.2. O que é Deus nos fazer bem. VERS.5. Os que professam temporariamente.1. O teste crucial: “Eles se desviam”.2. A política torta: fazem seus os caminhos tortos.3.

A condenação esmagadora: “serão conduzidos para fora com os malfeitores”. VERS.5. Hipócritas.1. Seus caminhos: “tortuosos”. (a) Como o caminho sinuoso de um ribeiro, buscando o nível ou a descida fácil. (b) Como o curso de uma embarcação manobrando habilmente para fazer com que todo vento a leve à frente.

(c) Caminhos construídos sobre nenhum princípio senão o do puro egoísmo.2. Sua conduta sob experiência. Eles se “voltam”, desviando-se: (a) De sua confissão religiosa. (b) De seus antigos companheiros. (c) Para se tornarem os piores desprezadores de coisas espirituais, e os mais violentos caluniadores de homens voltados ao espiritual.2.

  • Sua sentença: “O Senhor infligirá”.
  • A) No juízo serão classificados junto com os mais flagrantes dos pecadores; “com os malfeitores”.
  • B) Serão desmascarados por um poder irresistível: “O Senhor infligirá o castigo”.
  • C) Eles enfrentarão a terrível execução com os malfeitores no inferno (J. Field). VERS.5.

(última cláusula). A quem a paz pertence. A “Israel”; os escolhidos, o ex-lutador, agora o príncipe que prevalece. Considere a vida de Jacó depois que obteve o nome de Israel; observe suas provações, e a segurança nessas condições como ilustração deste texto.

  1. Então aceite o texto como sendo uma promessa segura. VERS.5.
  2. Última cláusula).
  3. Pergunte: 1.
  4. Quem são o Israel? (a) Pessoas convertidas.
  5. B) Os circuncisos no coração.
  6. C) Os verdadeiros adoradores.2.
  7. O que é a paz? (a) Paz de consciência.
  8. B) De amizade com Deus.
  9. C) De um coração abalizado e satisfeito.
  10. D) De glória eterna, como posse futura.3.

Por que a certeza daquilo que haverá “para sempre”? (a) Cristo fez a paz para eles. (b) O Espírito Santo lhes traz paz. (c) Eles andam no caminho da paz (J. Field). : Spurgeon: Salmo 125

O que quer dizer a palavra Sião na Bíblia?

A palavra Sião tem vários significados nas escrituras. A definição mais geral da palavra é ‘ o puro de coração ‘ (D&C 97:21). A palavra Sião é frequentemente usada para referir-se ao povo do Senhor ou à Igreja e a suas estacas (ver D&C 82:14). Também foi usada para referir-se a locais geográficos específicos.