Como Fazer Um Resumo?

Como se faz um resumo?

Introdução, desenvolvimento e conclusão – O resumo segue basicamente a mesma estrutura da maioria dos gêneros textuais. Ele começa pela introdução, que deve ser usada para apresentar o tema do texto. Geralmente, é construída em apenas um parágrafo. Depois disso, vem a etapa de desenvolvimento, que é o corpo do conteúdo, onde todas as ideias são expostas.

Quais são as principais características de um resumo?

Resumo: o que é, tipos, como fazer, exemplo O resumo é um texto que se propõe a sintetizar uma ideia de um texto maior, a fim de apresentar, sem juízo de valor e alterações, as ideias do texto original. Em ambientes acadêmicos e escolares, são muito comuns as atividades que envolvem a produção de resumos sobre obras que estão sendo estudadas.

O resumo é uma produção textual que apresenta, de maneira fiel, as ideias presentes em outro texto. Ele tem por finalidade, como o próprio nome diz, resumir para o leitor o conteúdo apresentado no material original. Por isso, ele precisa apresentar uma linguagem concisa e objetiva, além de ser predominantemente descritivo e impessoal.

Leia também:

Quais são os três tipos de resumo?

Tipos de resumo. Características dos tipos de resumo – Brasil Escola TCC, Monografia, Dissertação, Tese. tais modalidades nos remetem a um contexto voltado para o universo acadêmico, as quais resultam de um trabalho acurado de pesquisa, de métodos de observação, estudo de caso, enfim, dados comparativos.

Consideradas como convencionais, de praxe, acima de tudo, muitas vezes dão lugar para discussões acerca de outras, que também se caracterizam como modalidades acadêmicas. Em termos de recorrência, essa se demarca até mais, quando comparada às modalidades já mencionadas anteriormente – dada a condição de serem requisitadas apenas uma vez, ao término de cada etapa, seja de graduação, seja de pós-graduação.

Essa outra, sobre a qual nos propusemos a falar, demarcada pelo resumo, caracteriza-se pelos trabalhos requisitados ao longo do curso, assim como o seminário (gênero oral), a resenha, entre outras. Alguns aspectos, já demarcados por meio do texto “”, já proporcionaram a você o reconhecimento de alguns dos traços que o demarcam, partindo do princípio de que o resumo não se trata de cópia fidedigna das ideias nele abordadas, mas sim de outro texto, ainda mais conciso, mais condensado, mantendo as ideias originais e, sobretudo, as principais.

Dessa forma, antes de darmos a conhecer acerca dos tipos que existem, não se descarta a necessidade de enfatizarmos sobre alguns passos que o auxiliarão na construção desse texto, cuja importância torna-se indiscutível. Assim, como procedimento primeiro, ler e compreender as ideias, a mensagem impressa em todo o discurso torna-se fundamental.

Realizado esse procedimento, provavelmente uma segunda leitura se fará necessária, cujo intuito é retirar as ideias principais, uma vez contidas em cada segmento, em cada bloco. Ao final de tudo isso, construir um texto de própria autoria do emissor, tendo em vista tudo que foi abordado no texto matriz.

  • Passando adiante, faz-se necessário tomarmos consciência de que todo texto acadêmico, em termos de padronização, é regido pela ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas).
  • A NBR 6028/2003 postula que o resumo pode ser classificado em três tipos: indicativo, informativo ou crítico, os quais são determinados por características específicas, vistas a partir de agora.

Assim, o resumo informativo tem por finalidade, como o próprio nome já indica, deixar o leitor informado acerca dos principais pontos destacados no texto, proporcionando a ele a possibilidade de ter uma ideia geral do que se trata. Cabe afirmar então que a consulta ao texto original não é tão necessária assim.

Essa modalidade de resumo é indicada para artigos científicos e artigos acadêmicos de forma geral. O resumo indicativo, literalmente afirmando, indica somente os pontos relevantes, principais do texto-base, descartando a possibilidade de apresentar dados de natureza qualitativa e quantitativa. Por essa razão, faz-se necessária a consulta ao texto original.

Por fim, temos o resumo crítico que, sem sombra de dúvidas, trata-se de uma análise com base no ponto de vista do emissor acerca das ideias contidas no texto original. Em virtude desse aspecto, juízos de valor são amplamente permitidos – o que lhe concede o nome, também, de resenha crítica,

Que palavras usar para iniciar um resumo?

O resumo deve começar com uma frase que contenha o essencial do documento original, evitando repetir as palavras do título. Deve incluir unicamente os pontos significativos, ser claro e conciso, evitando comentários periféricos e generalidades.

Como iniciar um resumo de um trabalho?

Como iniciar um resumo de trabalho acadêmico? Resumos devem iniciar o conteúdo do seu texto de forma impactante, ou seja, uma frase principal que expresse o tema principal da pesquisa de maneira clara e sintetizada.

Quais são os elementos que compõem o resumo?

EDITORIAL Como escrever o resumo de um artigo para publicação A redação do resumo de um artigo para publicação é uma etapa muito importante na comunicação dos resultados de uma pesquisa. Freqüentemente, os autores de artigos científicos conferem a esse elemento da sua produção muito pouco tempo ou atenção. Logo, o propósito deste editorial é discutir como elaborar e escrever um resumo bem organizado. O resumo é um breve sumário do artigo. Ele não é uma introdução do que se segue, mas sim uma descrição completa e concisa dos componentes-chave da metodologia do estudo e dos achados importantes da pesquisa. Normalmente, o resumo é o primeiro encontro do leitor com uma pesquisa ou relato, sendo algumas vezes o único elemento recuperado e/ou revisado nas bases de dados científicos. Esse elemento provê a primeira impressão, muitas vezes a mais importante, identificando o valor potencial ou a relevância do enfoque da pesquisa e dos resultados. Se o resumo for bem escrito, ele atrairá leitores para obter uma cópia do manuscrito completo que será incorporado aos que já foram encontrados, e seu trabalho será citado. Se o resumo for mal escrito, a pesquisa poderá ser ignorada ou, até mesmo, esquecida. Antes de enviar um artigo para publicação em uma revista científica, recomenda-se que sejam consultadas as normas para publicação na mesma, assim como resumos publicados em outros artigos da revista em questão. A maioria das revistas fornece diretrizes para os autores, incluindo sugestões a respeito do formato e do tamanho do resumo de um artigo. Os dois formatos mais comuns são o estruturado e o não-estruturado. Embora a abordagem seja um pouco diferente, ambos os formatos requerem informações similares. Em um resumo estruturado, a informação requerida é organizada em seções e identificada por divisões do texto em negrito. No resumo não-estruturado, não há divisões do texto, ou seja, a informação necessária é apresentada em um parágrafo ou em forma narrativa e as divisões são apresentadas como parte de um texto. O resumo deve vir no início do manuscrito, logo após o título, comumente abrangendo as seguintes informações: Contexto, Propósito, Metodologia, Resultados, e Conclusão. Uma lista de Palavras-chave escolhidas pelo(s) autor(es) é colocada no final do resumo, precedendo o corpo do artigo. Algumas revistas requerem uma Introdução ao invés do Contexto, outras iniciam com o Propósito ou Objetivo da pesquisa, ou solicitam seções como Discussão, Implicações e/ou Considerações Futuras. Uma outra abordagem para escrever um resumo é responder às seguintes questões: Por que o estudo foi realizado? Como o estudo foi conduzido? Quais foram os resultados obtidos? O que os resultados do estudo significam? (1), O tamanho típico de um resumo costuma ser limitado a 250 palavras, mas certas revistas restringem seu limite a 50 ou 100 palavras, fato que se torna um desafio à parte. Também é importante lembrar que algumas bases eletrônicas de dados truncam automaticamente resumos que se estendem além de certo limite (Ex. MEDLINE trunca qualquer coisa além de 400 palavras). O título, as seções e as palavras-chave de um resumo serão discutidos nos parágrafos a seguir e incluem exemplos quantitativos (QT) e qualitativos (QL) da literatura atual. Título O título deve refletir o conteúdo do artigo e comunicar ao leitor o escopo, o desenho e a meta da pesquisa. Muitas revistas possuem diretrizes severas sobre a quantidade de caracteres ou palavras que são permitidas, as quais podem tornar essa tarefa desafiadora. O título não deve ter mais que 12 palavras e nem incluir jargões ou acrônimos não-familiares (1), QT: “As relações entre depressão e outras conseqüências do cuidado em doenças crônicas” (2), QL: “A experiência vivida na zona rural por enfermeiras em saúde mental” (3), Contexto A seção que apresenta o contexto fornece uma introdução para o problema da pesquisa e/ou estudo. Ela identifica o foco ou a questão central considerada no trabalho: “Por que esse estudo foi realizado?” Essa questão precisa ser respondida em poucas frases, dizendo brevemente sobre o que é o artigo (4), O contexto costuma ser seguido pelo propósito do estudo e, em muitos resumos, é opcional ou eliminado completamente. QT: “De acordo com evidências atuais e teorias psicológicas, dar a informação adequada parece ser uma maneira promissora de reduzir a ansiedade do paciente. No caso de pacientes cirúrgicos, a admissão à unidade de tratamento intensivo (UTI) está fortemente associada à incerteza, imprevisibilidade e ansiedade para o paciente. Assim, a informação específica sobre a UTI pode ter um elevado impacto clínico. Esse estudo investiga os potenciais benefícios de um programa de relato de informações sobre UTI especificamente designado para pacientes submetidos à cirurgia cardíaca, abdominal ou torácica eletiva e agendados para permanecer na UTI” (5), QL: “Embora o modelo de cuidado contínuo tenha sido adotado para intervenções em HIV/AIDS, existem poucos trabalhos empíricos documentando as experiências do cuidado prestado por famílias. Preenchendo essa lacuna, foi realizado um estudo sobre o cuidado prestado e o cuidado recebido por famílias, em Mumbai, na Índia (6), Propósito Esta seção focaliza-se especificamente nas questões de pesquisa, nas hipóteses ou objetivos do estudo. O propósito pode ser escrito como uma declaração que reflete as questões de pesquisa ou hipóteses, estabelecendo objetivos específicos. QT: “O propósito deste estudo foi prever a influência de fatores socioecológicos, incluindo suporte social, barreiras aos comportamentos de promoção da saúde (CPS), o status de saúde percebido e variáveis demográficas sobre o CPS de mulheres da zona rural com falência cardíaca (FC)” (7), QL: “Este estudo fenomenológico descreve o significado de relações de orientação, a partir da perspectiva de seis mentores envolvidos no Programa Latino de Realização de Orientações (PLRO) propositalmente selecionados, e investiga temas subjacentes à relação dos mentores” (8), Metodologia A seção que aborda os métodos identifica para o leitor a natureza dos dados analisados no estudo e responde à questão: “Como foi conduzido o estudo?” De acordo com o paradigma da pesquisa, os componentes dessa seção podem variar. Em um estudo quantitativo, a seção da metodologia usualmente inclui o desenho da pesquisa, a amostra, o cenário, as variáveis e/ou instrumentos e a análise dos dados. Em um estudo qualitativo, essa seção normalmente inclui a abordagem filosófica, os participantes, o contexto, o método de coleta de dados e como os dados são analisados (9), Em geral, essa seção inicia-se com a descrição do desenho da pesquisa. Os exemplos de desenhos de pesquisas quantitativas incluem o descritivo, o correlacional, o quase-experimental e o experimental. Comumente, os desenhos qualitativos relatados abrangem a fenomenologia, a teoria fundamentada em dados, a etnografia, a pesquisa-ação e a investigação narrativa. Os desenhos das pesquisas também podem refletir uma dimensão temporal como: estudo transversal (os dados são coletados em um momento no tempo), longitudinal (os dados são coletados em dois ou mais momentos no tempo), retrospectivo (busca no passado as causas de um fenômeno identificado no presente) e prospectivo (busca por um fenômeno no futuro, baseando-se na identificação de causas potenciais no presente). Existem, ainda, outras classificações de desenhos de pesquisas que se focalizam mais no método: estudos de tendência, estudo de caso, estudo caso-controle, estudo de associação, estudo preditivo, testagem de modelo, análise conversacional, análise de discurso, etc. A exclusão do desenho do estudo pode fazer com que o leitor desconsidere a pesquisa, quando estiver conduzindo uma busca em bases de dados científicos. Afirmações sobre a amostra, o acesso à amostragem e o contexto para a coleta de dados também são importantes. Essa informação pode ser facilmente incorporada, em poucas frases, ao longo do desenho da pesquisa. Em adição, deve-se observar o enfoque da análise dos dados. Esse aspecto auxilia o leitor na compreensão da natureza da informação obtida e analisada. QT: “Um estudo-controle randomizado prospectivo foi realizado com 94 pacientes submetidos a 102 cirurgias de tireóide, durante um período de quinze meses. Os pacientes incluídos no estudo foram alocados randomicamente em grupos que receberam drenagem e grupos que não receberam drenagem, com base em uma tabela de números gerada randomicamente no computador. O cirurgião era informado sobre o grupo logo antes do fechamento da ferida. ultrasonografia pós-operatória do pescoço foi realizada no primeiro e no sétimo dia de pós-operatório pelo mesmo ultra-sonografista. Nenhum edema, mudança na voz, tetania e sensação de formigamento foram registrados. Os dados foram analisados utilizando t-teste para duas amostras para o cálculo de variância desigual” (10), QL: “Cinco mulheres participaram de uma entrevista com duração de uma hora em um grupo focal. Para dar voz a cada participante, identificando ainda temas comuns e experiências de aprendizado, o autor utilizou uma metodologia de pesquisa em dois passos. O primeiro passo compreendeu entrevistas individuais, as quais o autor analisou utilizando um método de relação centrada na voz. O autor escolheu no segundo passo o grupo focal, para facilitar o aprendizado das mulheres, a partir das experiências de cada uma” (11), Resultados A seção dos resultados responde à questão “Quais foram os achados?” Os resultados são os pontos finais das questões de pesquisa ou hipóteses e deveriam ser citados em uma seqüência lógica. Se testes estatísticos foram utilizados para analisar os dados, relate os resultados desses testes e o nível de significância, mesmo se não forem significantes. Para um estudo qualitativo, relate os temas, categorias ou teorias resultantes. Essa seção estabelece as etapas para as conclusões do estudo e, se o espaço permitir, deve ser relatada com o maior número de detalhes possível. QT: “Os residentes da Holanda apresentaram mortalidade mais elevada que os residentes dos EUA (28,1% vs.15,1% em um mês, respectivamente; P<.001). Após o ajuste de acordo com a severidade da doença, por meio de regressão logística, as diferenças entre as populações da Holanda e dos EUA não foram significantes (relação das probabilidades 1,34; 95% intervalo de confiança, 0,94-1,90). A mortalidade prevista foi superestimada para moradores dos EUA que apresentavam doenças mais severas em um mês, mas não em três. Nenhum regime de antibióticos foi consistentemente associado com o aumento ou decréscimo da mortalidade" (12), QL: "Cinco temas essenciais foram identificados. Eles foram o cuidado holístico dos clientes; isolamento; autonomia e prática avançada; desenvolvimento profissional e reconhecimento do status; suporte educacional e número de casos atendidos e a composição da casuística" (3), Conclusões A seção que reporta a conclusão responde à questão "O que significam os resultados?" Essa seção necessita refletir o uso potencial, a relevância ou as implicações dos resultados relatados. A ênfase deve ser nos aspectos novos e importantes do estudo que são apoiados pelos resultados ou achados. QT: "Apesar das diferenças na gravidade da doença e no tratamento, a mortalidade ajustada não difere entre os dois países. Embora nós não possamos excluir os benefícios dos tratamentos mais agressivos para sobrevivência a curto prazo nos Estados Unidos, diferenças na linha basal de saúde parecem ser mais importantes para o prognóstico do que o tipo de tratamento com antibióticos" (12), QL: "O estudo não cobriu o impacto psicológico das atitudes sociais negativas para com as pessoas que visitam os serviços de saúde sexual e para a equipe que lá trabalha" (13), Palavras-Chave Quando submetem um artigo para uma revista, o(s) autor(es) precisa(m) escolher palavras e frases que comuniquem os conceitos centrais da pesquisa. Esses conceitos devem estar totalmente relacionados com o estudo, o problema de pesquisa e/ou métodos. A seleção cuidadosa das palavras-chave facilitará a recuperação de pesquisas relevantes, conforme essas palavras são utilizadas na indexação e busca de estudos nas bases de dados científicos. Consulte bibliotecários e médicos, bases de dados científicos e revistas, antes de selecionar as palavras-chave, para utilizar nomenclatura apropriada. QT: " Palavras-Chave: nursing homes, idosos, infecções do trato respiratório, pneumonia, agentes antibacterianos, prestação do cuidado em saúde, serviços de pesquisa em saúde" (12), QL: " Palavras-Chave: fenomenologia hermenêutica, saúde mental, enfermagem rural" (3), Escrever um resumo é uma tarefa árdua, mas um resumo bem escrito dará resultados. A principal função de um resumo é prover os potenciais leitores com suficiente informação, tanto para interessá-lo como para ajudá-lo a decidir a ler o artigo na íntegra. É essencial ser tanto conciso quanto preciso em seus escritos, pois outros irão esquadrinhar seu resumo com a finalidade de identificar elementos potencialmente úteis para sua própria revisão literária e utilizá-los. Neste editorial nós delineamos algumas diretrizes e convidamos você a experimentar utilizá-las na próxima vez em que você for escrever um resumo. Nós também damos as boas-vindas a outros para compartilhar dicas adicionais baseadas em suas próprias experiências em redigir e revisar resumos. Respostas a este editorial serão bem recebidas. Nota. Todos os exemplos foram recuperados de manuscritos publicados em revistas listadas no Diretório de Revistas de Acesso Público (Directory of Open Access Journals, DOAJ) que permite utilização irrestrita, distribuição e reprodução em qualquer meio, se o trabalho for corretamente citado. Referências 1. Pierson DJ. How to write an abstract that will be accepted for presentation at national meeting. Respir Care.2004; 49(10), 1206-12.2. Tsai PF, Jirovec MM. The relationships between depression and other outcomes of chronic illness caregiving. BCM Nurs,2005 ; 4(3):. Available from: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6955-4-3.pdf,3. Drury V. The lived experience of rural mental health nurses. Online J Rural Nurs Health Care,2005 ; 5(1):, Available from: http://www.rno.org/journal/issues/Vol-5/issue-1/Drury_article.htm,4. Baillie J. On writing: Submitting a manuscript for publication. Endoscopy.2004; 36(9), 821-4.5. Berg A, Fleischer S, Koller M, Neubert TR Preoperative information for ICU patients to reduce anxiety during and after the ICU-Stay: Protocol of a randomized controlled trial. BCM Nurs,2006 ; 5(4):, Available from: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1472-6955-5-4.pdf,6. D'Cruz P. The family context of care in HIV/AIDS: A study from Mumbai, India. Qual Rep,2004 ; 9 (3):, Available from: http://www.nova.edu/ssss/QR/QR9-3/dcruz.pdf,7. Pierce C. Health promotion behaviors of rural women with heart failure. Online J Rural Nurs Health Care,2005 ; 5(2), Available from: http://www.rno.org/journal/issues/Vol-5/issue-2/Pierce_article.htm 8. Knoche LL, Zamboanga BL. College student mentors and latino youth: a qualitative study of the mentoring relationship Qual Rep,2006 ; 11 (1):, Available from: http://www.nova.edu/ssss/QR/QR11-1/knoche.pdf,9. Burns N, Grove SK. The practice of nursing research: Conduct, critique, and utilization.5th ed. St. Louis: Elsevier Saunders; 2005.10. Khanna J, Mohil R, Chintamani, Bhatnagar D, Mittal MD, Sahoo M, Mehrotra M. Is the routine drainage after surgery for thyroid necessary? A prospective randomized clinical study. BMC Surg,2005 ; 5 (11):, Available from: http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1471-2482-5-11.pdf,11. Balan NB. Multiple voices and methods: Listening to women who are in workplace transition, Int J Qual Methods,2005 ; 4(4):. Available from: http://www.ualberta.ca/~iiqm/backissues/4_4/pdf/balan.pdf,12. Kruse RL, Meh DR, Steen JTVD, Ooms ME, Madsen RW, Sherman AK, et al. Antibiotic treatment and survival of nursing home patients with lower respiratory tract infection: A cross-national analysis Ann Fam Med,2005 ; 3(5):, Available from: http://www.annfammed.org/cgi/content/full/3/5/422,13. White G, Mortensen A. Counteracting stigma in sexual health care settings. Internet J Adv Nurs Pract,2003 ; 6 (1), Available from: http://www.ispub.com/ostia/index.php?xmlFilePath=journals/ijanp/vol6n1/stigma.xml, Valmi D. Sousa, PhD, APRN, BC Professor Doutor em Enfermagem da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte Pós-doutorado em Pesquisa em Genética Clínica pela Universidade de Iowa, EUA Martha Driessnack, PhD, APRN, BC Pós-doutorado em Pesquisa em Genética Clínica pela Universidade de Iowa, EUA Milena Flória-Santos, PhD, RN Professora Doutora em Genética da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo

You might be interested:  Como Acabar Com Baratas?

Como deve ser a linguagem de um resumo?

Esquema e Resumo. Diferenças entre esquema e resumo – Português Tipos diferentes de texto, esquema e resumo apresentam diferenças significativas quanto à forma e ao conteúdo. Elaborar esquemas e resumos pode ser uma ótima opção para quem quer otimizar os estudos e melhorar a compreensão textual Você sabe quais são as diferenças entre esquema e resumo? Pensou que esquema e resumo fossem a mesma coisa? Pois bem, você vai aprender agora que eles são tipos distintos de texto-, pois cada um cumpre uma função diferente no contexto comunicacional.

  • Basicamente, o resumo tem como principal característica apresentar com fidelidade as ideias reproduzidas em um texto, primando por elementos inerentes à construção textual.
  • Já o esquema tem como objetivo destacar apenas aquilo que é essencial para um texto, como se fosse um esqueleto formado por tópicos,

Para facilitar seus estudos, observe o quadro que destaca as especificidades de cada um desses textos: Diferenças entre esquema e resumo: Apesar das diferenças, ambos apresentam um ponto em comum: são resultados de uma boa leitura, pois, sem ela, elaborar um esquema ou um resumo pode ser uma tarefa árdua.

Quais são os dois tipos de resumo?

Resumo Indicativo: indica o assunto tratado no documento, informa as finalidades, metodologia, resultados e conclusões do texto fonte. Resumo Informativo: indica além do tema, os resultados de uma pesquisa, por exemplo.

Qual é o principal objetivo de um resumo?

Um resumo fornece ao leitor uma descrição clara do seu estudo e resultados sem que o leitor tenha que ler o artigo inteiro. O resumo é uma ferramenta importante para os pesquisadores que precisam examinar centenas de artigos na sua área de estudo. O resumo é ainda mais importante em artigos sem acesso aberto.

You might be interested:  Como Colocar Senha No Perfil Da Netflix?

Como se começa a introdução?

Entenda o que é uma introdução e veja exemplos de como utilizá-la em diferentes tipos de textos – A introdução é a primeira parte do texto e tem como objetivo apresentar o tema que será abordado e capturar a atenção do leitor. Ela pode ser utilizada em diferentes tipos de texto, como redações, artigos, trabalhos acadêmicos, entre outros.

  1. Uma boa introdução deve ser clara, objetiva e persuasiva, e deve fazer com que o leitor se interesse pelo assunto que será abordado.
  2. Para entender melhor o que é uma introdução, é necessário definir que ela é a primeira parte do texto, com o objetivo de apresentar o tema e capturar a atenção do leitor.

Ela pode ser utilizada em diferentes tipos de texto, como redações, artigos, trabalhos acadêmicos, entre outros. Uma boa introdução deve ser clara, objetiva e persuasiva, atraindo o interesse do leitor para o assunto que será abordado. Para criar uma introdução eficiente, é importante levar em consideração o público-alvo do texto, o objetivo do conteúdo e o tipo de texto que está sendo escrito.

  • Em uma redação: “O aquecimento global é um dos maiores desafios da atualidade. Desde a Revolução Industrial, a temperatura média do planeta tem aumentado significativamente, o que pode trazer graves consequências para o meio ambiente e para a vida humana. Nesta redação, iremos discutir as causas e as consequências do aquecimento global e apresentar possíveis soluções para este problema.”
  • Em um artigo científico: “A pandemia de Covid-19 tem causado grandes impactos na saúde pública e na economia mundial. Desde o início da disseminação do vírus, diversos estudos têm sido realizados para entender melhor a doença e encontrar soluções para o seu controle. Neste artigo, iremos apresentar uma revisão da literatura sobre os avanços na pesquisa sobre a Covid-19 e discutir as implicações desses avanços para a saúde pública e a economia.”
  • Em um trabalho acadêmico : “O marketing digital é uma das áreas que mais tem crescido nos últimos anos, impulsionado pelo avanço da tecnologia e da internet. Neste trabalho, iremos apresentar uma revisão da literatura sobre o marketing digital e discutir as principais estratégias utilizadas pelas empresas para atrair e fidelizar clientes na era digital.”

Lembre-se que uma boa introdução é fundamental para garantir o sucesso do seu texto. Utilize as estratégias apresentadas acima e adapte-as ao seu tipo de texto e público-alvo para criar uma introdução eficiente e persuasiva. Uma boa leitura depende de uma boa escrita, afinal escrever uma boa introdução pode fazer o leitor se interessar ainda mais.

Como se começa um resumo de um livro?

Perguntas frequentes – Para fazer um resumo de um livro é necessário que você apresente ao leitor os principais pontos da narrativa, focando no que tem de mais essencial na obra sendo analisada pelo autor do resumo. É importante dar atenção ao formato pedido no trabalho, seja ou não parte de uma disciplina, pois isso terá impacto no resultado.

O primeiro passo para começar é coletar os fatos e informações mais importantes da obra, dessa forma ao iniciar o desenvolvimento do texto esses conteúdos já estarão bem definidos. Na hora de iniciar um resumo de um livro, o ideal é iniciar com uma apresentação mais geral da obra como nome, autor, personagens e temas.

Para fazer uma análise de livro ou uma análise capítulo, o modelo a ser seguido é bastante semelhante. A diferença é que ao resumir um livro você vai estar trabalhando com muito mais conteúdo, enquanto que o estudo de um capítulo será uma versão bem mais reduzida.

Tem como estudar sem fazer resumo?

Como estudar sem resumos para concursos públicos

  • Se você está cansado de estratégias demoradas e que não te ajudam, é hora de aprender a estudar sem resumos!
  • Contrariando boa parte dos coaches e mentores para concursos, somos categóricos na nossa estratégia:
  • Há maneiras MUITO mais eficientes de se estudar para concursos, e que não envolvem gastar horas e horas produzindo um resumo nada resumido,
  • Quer aprender a estudar sem resumos e aprender mais em menos tempo ?
  • Então continue lendo o artigo!
  • Você provavelmente já viu muita gente ensinando a fazer resumos como principal método de memorização para concursos.
  • E, acredite, eu também já fiz MUITOS resumos na minha jornada concurseira!
  • Mas sempre acabava chegando um momento em que eu estava com três, quatro ‘resumos’ da mesma matéria, e minha taxa de acertos não estava das melhores,
  • Lembro que cheguei a fazer um “resumo” de SETE FOLHAS do tópico de Serviços Públicos (Direito Administrativo), para no fim descobrir que nem 10% do que coloquei ali era efetivamente cobrado na minha prova,
  • Mas foi só depois que me deparei com um edital de conteúdo programático de mais de uma página que me questionei: como eu posso aprender tudo isso SEM RESUMOS?
  • Pois eu sabia que não teria tempo de fechar aquele edital se fosse estudar com resumos para todos os tópicos.
  • A partir daquele momento, praticamente aboli os resumos da minha estratégia de estudos.
  • Na época, já não fazia quase nenhum material físico, à mão, apenas usava livros já completos, PDFs ou cadernos feitos no computador.
  • Conforme eu avançava nos estudos, percebia que estudar sem resumos me dava uma vantagem muito grande em relação à concorrência: eu tinha muito mais tempo “sobrando” para resolver questões.
  • E foi assim que a resolução de questões, aliada a outros recursos de memorização que aprendi posteriormente, me permitiu ser
  • Por isso hoje eu quero te ensinar um dos primeiros passos para essa virada – quero te ensinar como estudar sem resumos.

Se essa estratégia te render bons resultados, assim como rendeu para mim e para os alunos da, me conta depois, tá?!

  1. Mas antes, vamos revisitar as razoes do porquê você NÃO deveria estar estudando com resumos.
  2. Bom, a primeira coisa que eu gostaria de esclarecer é que nós não estamos falando aqui que estudar por resumos não funciona.
  3. Veja bem estou dizendo que não é a melhor estratégia para concursos, com base na minha experiência e na experiência com alunos da mentoria.
  4. E não estou dizendo que você não vai aprender se estudar com resumos na sua preparação.
  5. Até porque eu sei bem que um resumo, se feito da maneira correta, é uma excelente estratégia de aprendizado.
  6. Mas temos aqui nosso primeiro problema: a maioria dos concurseiros não sabem fazer resumos !
  7. A maioria dos concurseiros, quando vai fazer seu resumo, acaba simplesmente copiando parte das informações do material original para o resumo.
  8. Assim, não há raciocínio nenhum envolvido, apenas estudo passivo,
  9. Isso faz com que os conteúdos sejam decorados por meio da repetição, e não por conta de um real aprendizado.
  10. Quem nunca refez o mesmo resumo várias vezes com esse objetivo?
  11. E o problema aqui é que decorar um conteúdo é uma forma de memorização muito fraca,
  12. O real aprendizado acontece quando você interage com a matéria, estuda de forma ativa – e não quando você simplesmente copia um trecho do livro ou apostila.
  13. Nesse processo de copiar e colar, o aluno acaba produzindo um material quase tão grande quanto o material original,
  14. Então o que era para ser um recurso rápido de revisão acaba virando mais uma fonte de estudos – só que incompleta – e que vai atrasar suas revisões, pela extensão do seu conteúdo.
  15. Além de tomar um grande tempo do concurseiro que gosta de reler o resumo “não resumido”, outro problema aparece durante as revisões:
  16. Quando ele resolve questões e aprende novas informações, não sabe mais se acrescenta esses dados no resumo ou no material original,
  17. Se acrescenta no resumo, o material original que era para ser completo perde todo seu sentido.
  18. Se acrescenta no material original, acaba não entrando mais em contato com essa informação pois é o resumo que está sendo revisado.
  19. Se acrescenta em ambos, é retrabalho que traz pouco custo-benefício.
  20. Entende o drama?
  21. Com o tempo, os resumos feitos à mão agregam tantas informações que viram um Frankeinstein de conteúdo.
  22. Assim fica difícil até de revisar por conta da bagunça e confusão das informações.
  23. É tanto remendo com canetas diferentes, post-its e anotações que a memorização fica prejudicada.
  24. Por conta do vício de estudar com resumos, a maioria dos concurseiros também acaba acrescentando nesse material coisas que sequer caem no seu concurso,
  25. Afinal, é natural no primeiro contato com a matéria achar que tudo é importante.
  26. E só descobrimos o que realmente é importante quando vamos resolver questões.
  27. Mas aí o estrago ops, o resumo, já está feito – e você descobre que colocou ali coisa que nunca cai em prova,
  28. Ou seja, tempo de estudos perdido,
  29. Por fim, estudar com resumos é muito demorado,
  30. Calcule o tempo que você levará para resumir um PDF de 70 páginas e multiplique isso por todos os tópicos do edital.
  31. Não é à toa que muitas pessoas chegam no dia da prova com resumo de todo o edital, mas não conseguem acertar as questões da prova.
  32. Pois quem passa todo seu tempo resumindo a matéria acaba não ficando com muito tempo para treino, para resolver questões,
  33. E ninguém pode discordar disso: o processo de revisar sistematicamente e resolver muitas questões de concursos nessas revisões é a PRINCIPAL estratégia para um bom desempenho em concursos.
  34. Mas como fazer isso se você passa todo seu tempo copiando a matéria em um resumo?
You might be interested:  Como Consultar O Auxílio Brasil?

É o que vamos descobrir agora. Vou te ensinar como estudar sem resumos! Espero que você já esteja convencido nessa altura que estudar sem resumos é sua melhor opção para concursos! Então ao longo dos próximos parágrafos vou te ensinar a colocar isso em prática, Seu maior objetivo no momento do estudo primário deveria ser montar o material mais completo possível, e não o contrário (um resumo!).

  • Veja bem, você quer ter uma fonte completa do assunto para poder consultar se precisar durante a resolução de questões, certo?
  • Então na hora de estudar sem resumos, f oque em montar uma fonte completa – e escrita – da matéria.
  • É o que chamamos na de “fonte única”.
  • Para isso, você pode usar um livro, PDF, ou mesmo montar um caderno digital.
  • O importante é que todas as informações de que você precisa estarão lá.
  • Enquanto o resumo tem apenas fragmentos da matéria, sua fonte única tem a matéria completa.
  • Acredite, focar na fonte única vai facilitar suas revisões!
  • Com a fonte única em mãos, utilize estratégias de estudo ativo e que estimulam diferentes memórias (auditiva, visual, cinestésica) para realmente aprender, interagir com o material.
  • Como exemplos podemos citar:
  • Fichamentos;
  • mnemônicos;
  • anotações estratégicas;
  • flashcards;
  • tabelas resumitivas
  • e práticas como explicar a matéria a alguém, gravar um áudio explicando a matéria, validar o que aprendeu a partir de palavras-chave, e assim por diante.
  1. Todos esses recursos usam a recordação ativa como base, ou seja, que é o fato de que você terá que se esforçar para reconstruir a matéria, para se lembrar dela, em vez de simplesmente ler/ouvir/ver passivamente.
  2. E é justamente a recordação ativa que vai ajudar a solidificar os conhecimentos na sua memória!
  3. Um grande erro de quem tenta estudar sem resumos – e provavelmente por isso acaba de frustrando – é tentar memorizar tudo no momento do estudo primário,
  4. Não é normal, considerando nossa evolução gradual de conhecimento, e nem benéfico, querer se lembrar de 100% da matéria logo após o primeiro contato com ela.
  5. Por isso, quando você estuda sem resumos o objetivo é compreender, apreender, e não necessariamente memorizar,
  6. A memorização virá com as revisões sistemáticas do conteúdo – o passo seguinte após estudar sem resumos.
  7. Então seu foco aqui é compreender a matéria.
  8. Fechar o capítulo e saber explicar os principais pontos dele.
  9. É isso que o estudar sem resumo te proporciona!
  10. Depois disso, você terá muito mais t empo disponível e base de conhecimento para começar suas revisões com resolução de exercícios.
  11. Quem faz um resumo não necessariamente aprendeu a matéria.
  12. Mas se você seguir as estratégias desse artigo, eu tenho certeza que vai maximizar suas chances de aprendizado e ter muito mais sucesso durante as revisões.
  13. Estudar sem resumos é estudar focado em aprender.
  14. É estudar com abertura e interesse pela matéria.
  15. E eu espero que esse artigo tenha te ajudado a absorver isso!
  16. Ah, na nossa ensinamos muuuuito mais sobre estudo sem resumos, técnicas de estudo e memorização.
  17. Pra conhecer nossos planos é só acessar esse link,
  18. Até mais e bons estudos!

Como fazer um resumo de um projeto?

Como posso falar do projeto em poucas palavras? – O resumo deve conter a essência do projeto, ou seja, deve trazer as linhas gerais, que possibilitem a quem lê um bom entendimento do projeto. Em geral, o resumo apresenta minimamente pra quê o projeto será feito (objetivo geral), o que será feito, para quem e onde.

Dependendo do formulário, o resumo pode ser maior, às vezes chegando até uma página de texto, neste caso, complemente com informações do contexto e da justificativa, o tempo e o valor necessários. Assim como o título, deixe para fazer o resumo somente depois que tiver estruturado o projeto como um todo, para que não haja divergências com o conteúdo ao longo do texto.

Veja a seguir o exemplo de resumo de um projeto apoiado pelo PPP-ECOS: “Este projeto tem como objetivo a implantação de cinco estruturas de horta sombreada e uma roça agroecológica, beneficiando diretamente 6 famílias de baixa renda e melhorando sua qualidade de vida através de um modelo de roça que não agride o meio ambiente e hortaliças de boa qualidade, produzidas sem uso de venenos e empregando técnicas sustentáveis com geração de renda para as famílias, utilizando pouca mão de obra, pouca água e com baixo custo financeiro.

O que é um resumo simples?

Qual a diferença entre resumo simples e resumo expandido? – Um resumo é uma apresentação concisa de pontos relevantes de um conteúdo. O resumo simples é um texto que não ultrapassa uma página, destacando os assuntos principais do documento original. Já um resumo expandido é uma versão mais longa, que pode ter entre 4 e 5 páginas, contando com os vários aspectos do conteúdo de origem.

Resumo simples Resumo expandido
Definição É um texto curto com as principais informações e ideias de um artigo ou outro documento. Deve apresentar as principais informações do texto de origem de uma forma mais aprofundada que o resumo simples, precisando conter referências bibliográficas e correlações com outros trabalhos da área em questão.
Total de páginas 1 Depende de especificações próprias para cada submissão
Número de palavras De 300 a 500 Depende de especificações próprias para cada submissão
Linguagem Ativa e na terceira pessoa do singular, com discurso indireto Ativa e na terceira pessoa do singular, com discurso indireto

Que tamanho deve ter o resumo?

Perguntas frequentes – O que é resumo do TCC? O resumo é um elemento pré-textual obrigatório, que compreende uma visão geral do trabalho acadêmico. Em termos mais simples, o resumo consiste em uma apresentação breve dos pontos principais do trabalho. O que é abstract do TCC? O abstract é uma versão do resumo em inglês.

  • Mas não é uma tradução direta e literal.
  • O foco do abstract é traduzir as ideias do resumo e não só as palavras.
  • Como fazer um resumo nas normas da ABNT? – O tamanho do resumo e do abstract deve variar entre 100 e 500 palavras (dependendo do tipo de trabalho e de suas exigências específicas, 100 para artigos e 150 para TCC).

– Escreva o texto em um único parágrafo, sem quebra do texto. – Escreva o texto na 3ª pessoa do singular, com verbo na voz ativa. Exemplo: “Este trabalho apresenta uma análise sobre a situação política do Brasil Verificou-se que, diante do cenário de incertezas”; – Evite abreviações e não use citações bibliográficas; – Não esqueça de incluir as palavras-chave, separadas por “ponto e vírgula”. Pesquisadora. Mestra em Direito pela UFSC. Acredita que conhecimentos acadêmicos só servem se ultrapassarem os muros das universidades e que conhecimento bom é conhecimento compartilhado e construído por todas as pessoas.

Qual a diferença entre um resumo é uma resenha?

Sobre a diferença entre resenha e resumo, podemos pontuar o seguinte: resenha é um texto de análise, crítica, comparações e opinião; resumo é um texto descritivo e imparcial, ou seja, não faz julgamentos ou avaliações e não vai além do que foi apresentado na obra.

Como se começa um resumo de um livro?

Perguntas frequentes – Para fazer um resumo de um livro é necessário que você apresente ao leitor os principais pontos da narrativa, focando no que tem de mais essencial na obra sendo analisada pelo autor do resumo. É importante dar atenção ao formato pedido no trabalho, seja ou não parte de uma disciplina, pois isso terá impacto no resultado.

O primeiro passo para começar é coletar os fatos e informações mais importantes da obra, dessa forma ao iniciar o desenvolvimento do texto esses conteúdos já estarão bem definidos. Na hora de iniciar um resumo de um livro, o ideal é iniciar com uma apresentação mais geral da obra como nome, autor, personagens e temas.

Para fazer uma análise de livro ou uma análise capítulo, o modelo a ser seguido é bastante semelhante. A diferença é que ao resumir um livro você vai estar trabalhando com muito mais conteúdo, enquanto que o estudo de um capítulo será uma versão bem mais reduzida.

O que é um resumo informativo exemplos?

Resumo Informativo: indica além do tema, os resultados de uma pesquisa, por exemplo. Resumo Crítico: tem por intuito a disponibilização de um resumo já acrescido de críticas e recomendações, normalmente redigido por um especialista.