Como Diferenciar Dor Muscular De Infarto?

Como saber se é dor de infarto ou dor muscular?

A dor pode ser do tipo aperto/pressão, queimação ou ’em facada’ e pode vir acompanhada de outros sintomas, como falta de ar, sudorese, palidez e tontura. Já a dor no peito provocada por lesões musculares se dá em decorrência da prática de alguma atividade física, na maioria das vezes.

Como saber se a dor que estou sentindo é infarto?

Infarto em homens – A dor do infarto nos homens é, geralmente, percebida como uma pressão no peito, podendo ser acompanhada de suor sem estar sentindo calor, o famoso suor frio. Além disso, os homens também podem sentir dor nos braços, dor na boca do estômago e até na mandíbula. Tonturas e desmaios durante a dor também podem acontecer.

Como é a dor do músculo do coração?

Dor que se espalha pelo corpo – costas, pescoço, nuca, ombros e braços (em especial o esquerdo); dor recorrente com duração de 5 a 20 minutos, casos de angina, ou superior a 20 ou 30 minutos, em casos de infarto do miocárdio; dor acompanhada de falta de ar, tontura, náusea e sudorese.

Como saber se a dor é de origem muscular?

Quais os sintomas de dor muscular? – O principal sintoma de dor muscular é a dor ou incômodo em uma determinada região do corpo ou mesmo uma dor mais sistêmica e generalizada. A dor pode ser uma sensação de queimação e ardência ou de pontada no músculo, ou ainda uma sensação de peso no local, como se ele estivesse mais enrijecido ou sensível ao toque.

Quando descartar um infarto?

Dores ou aperto no peito, irradiação para o pescoço ou dorso, dificuldade de respirar, formigamento no braço especialmente esquerdo, náuseas, sudorese e, menos frequente, palpitações são alguns sintomas do infarto Dor no peito, náuseas, aperto na garganta e formigamento no braço estão entre os sintomas de um dos problemas de saúde mais comuns no Brasil: o infarto agudo do miocárdio.

  1. Atualmente, cerca de 300 mil pessoas sofrem um infarto, anualmente, segundo dados da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.
  2. O problema surge quando existe uma artéria contraída ou obstruída, parcial ou totalmente.
  3. Como o músculo cardíaco requer um constante abastecimento de sangue rico em oxigênio para se nutrir, as artérias coronárias proporcionam ao coração essa fonte de abastecimento.

Se algo dá errado, o infarto acontece. Os riscos são grandes e aproximadamente 50% dos casos terminam em morte súbita. Conhecer os sintomas de um infarto e procurar ajuda é muito importante para garantir sucesso no tratamento e evitar a morte súbita. “O problema está em separar esses sintomas para não entrar em pânico à toa.

  • Os sintomas de infarto são dor ou aperto no peito, irradiação para pescoço ou dorso, aperto na garganta, formigamento no braço especialmente esquerdo, náuseas, sudorese e, menos frequente, palpitações, tontura e desmaio”, esclarece Dr.
  • Leopoldo Piegas, cardiologista e especialista em infarto do HCor (Hospital do Coração).

Dr. Leopoldo explica que nem tudo que sentimos, mesmo que ligados aos verdadeiros sintomas do infarto, representa um risco para saúde. “Nem toda dor no peito acontece por conta do infarto agudo do miocárdio. No entanto, se o indivíduo for portador de fatores de risco como hipertensão, diabetes, tabagismo e colesterol desequilibrado, ele deve permanecer alerta aos sintomas”, pondera.

Dr. Leopoldo explica que nem tudo que sentimos, mesmo que ligados aos verdadeiros sintomas do infarto, representa um risco para saúde. “Nem toda dor no peito acontece por conta do infarto agudo do miocárdio. No entanto, se o indivíduo for portador de fatores de risco como hipertensão, diabetes, tabagismo e colesterol desequilibrado, ele deve permanecer alerta aos sintomas”, pondera.

É importante ressaltar que os sintomas só podem ser realmente diagnosticados quando existem exames específicos para isso. “Pacientes saudáveis que não apresentam fatores de risco às vezes podem ter dor no peito, que pode ser provocada por alterações osteoarticulares ou musculares, esofágicas ou gástricas, sem nenhuma correlação com o coração.

  • Mas somente uma avaliação médica com eletrocardiograma e exames laboratoriais pode identificar a causa das dores ou das insuficiências”, explica Dr. Piegas.
  • De acordo com o cardiologista do HCor, o ideal é se precaver desse mal, e para isso, basta alguns cuidados bem simples, como deixar o sedentarismo e o tabagismo bem longe de você.

“Mas, mesmo tomando esses cuidados, o ideal é buscar ajuda sempre que sentir necessidade. A rapidez no atendimento faz toda a diferença em relação ao sucesso do tratamento, sugere Dr. Piegas. Como acontece o infarto: o infarto acontece quando parte do músculo cardíaco morreu por falta de oxigênio.

  1. A nutrição do músculo é feita pelas artérias coronárias, que levam sangue e nutrientes até o coração.
  2. Se uma artéria dessas “entupir”, o fluxo de sangue é interrompido e aquela área entra em sofrimento causando dor e, se esse fluxo não for reestabelecido a tempo, o tecido morre.
  3. Alguns sintomas: suor frio, fraqueza intensa, palpitações e falta de ar.

Na presença dessas sensações, é de extrema importância procurar ajuda no pronto socorro mais próximo no máximo em uma hora. Conforme o tempo passa a dor diminui, mas o dano torna-se irreversível. Após 12 horas de dor, o músculo em sofrimento já morreu quase por completo.

Quando ir ao médico: quando o indivíduo está com uma dor intensa entre a boca e o umbigo, que dura mais de 20 minutos e apresenta outros sintomas que estão ligados ao infarto, deve procurar um hospital ou ligar para o 192 (SAMU), especialmente em casos de histórico de diabetes, pressão alta, obesidade e colesterol elevado.

Além disso, para ajudar a aliviar a dor e melhorar a circulação, pessoas que nunca tiveram um infarto podem tomar dois comprimidos de aspirina enquanto espera pela ambulância. Caso esteja presente em um caso de infarto com perda de consciência, o ideal é que seja feita uma massagem cardíaca enquanto espera a chegada da ambulância, pois aumenta as chances de sobrevivência da pessoa.

You might be interested:  Google Como É Meu Nome?

Qual primeira dor do infarto?

Como distinguir dores no peito de infarto? Dados do Ministério da Saúde revelam que no país cerca de 300 mil indivíduos por ano sofrem Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), sendo que 30% desses casos chegam a óbito. Segundo a Federação Mundial do Coração (WHF), morrem por ano 18 milhões de pessoas de doenças cardiovasculares, o que representa um terço de todas as causas de morte no mundo.

A situação é grave, requer cuidado e informação. Muita gente costuma associar forte dor no peito a problemas mais graves, como infarto. De fato este é o sintoma mais comum da doença, porém não é o único, às vezes sequer está presente e nem sempre a dor significa que a pessoa esteja realmente infartando.

Ou seja, existem muitos dados sobre o assunto que precisam ser esclarecidos antes de haver um palpite ou um diagnóstico precoce. Por isso vamos ajudar você a entender melhor os sintomas de cada problema, auxiliando na distinção das dores no peito. O infarto acontece quando uma ou mais artérias que levam oxigênio ao coração são obstruídas por um coágulo de sangue, formado em cima de uma placa de gordura existente na parede interna da artéria.

Então elas não conseguem levar o sangue até o músculo, que começa a morrer. Sintomas do Infarto O sintoma mais clássico do infarto é uma dor opressiva na região do tórax, com uma pressão forte no peito, dor nos ombros, braços, queixo e até abdômen. É possível haver ainda suor frio e falta de ar. As dores no peito podem ter durações distintas, variando de 4 a 20 minutos, por exemplo.

Contudo, nem sempre uma dor aguda significa infarto. Especialistas explicam que outros problemas de saúde – como gastrite forte, esôfago com refluxo ou pâncreas com pancreatite – podem ocasionar dores semelhantes. Quando a obstrução das artérias atinge uma área pequena do músculo cardíaco, o infarto pode ser assintomático – também chamado de silencioso.

Dor na região torácica: dor no peito irradiando para pescoço, mandíbula, costas, braço ou ombro esquerdo. Falta de ar: a sensação de aperto no peito pode interferir nos pulmões e provocar dificuldade para respirar. Náusea, indigestão, azia ou dor abdominal: estes sintomas são normalmente confundidos com um simples desconforto digestivo, o que requer bastante atenção do especialista para o diagnóstico correto. Tontura: antes de um infarto é possível haver episódios de tonturas, causando arritmias e até desmaios. Suor frio: juntamente com a tontura, o paciente pode relatar suor frio, devido às dores no peito. Fraqueza: sintoma que pode passar despercebido, mas pode ser indicativo de algo mais grave.

E quando não é infarto? Outras doenças provocam dores no peito, como problemas cardíacos de miocardite e pericardite. Existem ainda outros problemas de saúde que nada tem a ver com o coração e costumam provocar dores no peito. É preciso estar atento para prestar atenção de onde ela vem, com qual duração e se está acompanhada de outros sintomas.

Problemas digestivos: problemas de má digestão, refluxo gastroesofágico ou condições que dificultam a deglutição dos alimentos e provocam azia ou queimação podem ocasionar dores no peito. Nestes casos a dor pode ser decorrente de uma queimação na garganta e/ou no esôfago. Cálculos biliares, mais conhecidos como pedras na vesícula, também costumam causar dores abdominais que podem irradiar para região peitoral. Doenças pulmonares: problemas como inflamação da membrana que envolve o pulmão, hipertensão pulmonar ou ainda embolia pulmonar podem causar dor no peito por horas devido à falta de ar. Músculos ou ossos lesionados: algumas doenças provocam danos na parede torácica – como nos casos de inflamação da cartilagem da caixa torácica, fibromialgia, contraturas musculares ou costelas machucadas – e, consequentemente, geram dores no peito. Síndrome do pânico: dores no peito podem ser causadas por distúrbios emocionais, como nos casos de ataque de pânico que possuem sintomas semelhantes aos de um infarto. Alto grau de ansiedade, sentimentos negativos e pensamentos de morte também costumam fazer parte dos sintomas. Síndrome do coração partido: menos comum que a síndrome do pânico, a síndrome é um problema raro que provoca sintomas semelhantes aos de infarto e costumam surgir após períodos de grande estresse emocional que provocam um aumento da produção de hormônios como o cortisol, gerando a contração exagerada de alguns vasos cardíacos. Mulheres após os 50 anos são as pacientes mais comuns da síndrome, que também afeta homens e pessoas com transtornos psiquiátricos.

De qualquer forma, é sempre importante manter em dia seu checkup cardiológico, de modo a monitorar a saúde do seu coração. Sejam por causas físicas ou psicológicas, procurar um especialista no assunto é sempre a melhor maneira de prevenir problemas futuros.

Quantos minutos dura a dor do infarto?

Hospital 9 de Julho – ​​​ ​​ A dor no peito por mais de 20 minutos na região abaixo do queixo é um dos sintomas do infarto. Alguns outros sinais mostram claramente que há algo errado com o coração. Outros, no entanto, podem passar despercebidos, mas ainda assim são possíveis em quem está sofrendo um infarto.

  1. As providências médicas nesses casos são extremamente impor tantes e quanto mais cedo melhor”, afirma o cardiologista Dr.
  2. Marcelo Paiva, do Centro de Cardiologia do Hospital 9 de Julho.
  3. Abaixo, listamos 9 dos principais sinais do infarto: Dor no peito: o mais comum e importante dos sintomas.
  4. A dor ou a pressão no peito pode irradiar para o lado esquerdo do corpo, afetando o ombro e até a mandíbula; Suor frio: esse é um sinal de alerta, ele sempre vem acompanhado de outros sintomas; Náuseas ou vômito: também considerado um sinal de alerta, o mal estar gástrico é um sintoma causado pelo estado de alerta que o corpo entra quando a pessoa sofre um infarto; Tosse seca: o infarto compromete, além do coração, os pulmões.
You might be interested:  Queimação No Estômago Como Aliviar?

Por isso, ele pode provocar uma tosse seca. Esse também é um sintoma que não surge sozinho; Falta de ar: o mesmo comprometimento dos pulmões que causa a tosse também pode causar aquela dificuldade para respirar, com a sensação de respiração encurtada e falta de ar; Desmaio: a arritmia ou a parada cardíaca, resultado do infarto, podem causar uma síncope, que provoca o desmaio; Tontura: a baixa oxigenação no cérebro, ocasionada pelo batimento irregular do coração, pode causar tontura.

Esse sintoma também não surge sozinho; Fraqueza excessiva e repentina: esse é um sintoma não muito comum, mas também relatado por alguns pacientes; Palpitações: como o infarto provoca arritmia no coração a pessoa tem a sensação de que está tendo palpitações, com o coração batendo fora do compasso. Vale lembrar que nem sempre um infarto vem acompanhado de dor no peito.

Em mulheres e idosos, principalmente, esse é um sintoma não tão frequente quanto as pessoas imaginam. Por isso, é preciso estar sempre atento e fazer avaliações periódicas para avaliar os riscos. Fatores de risco Segundo Dr Paiva, tanto para a prevenção do infarto quanto para o diagnóstico da angina é necessário fazer uma avaliação dos fatores de risco, da condição anatômica e funcional do coração, buscando identificar se há um processo aterosclerótico em andamento (formação de placa nos vasos) ou até uma obstrução nas artérias coronarianas. Assista ao vídeo do Dr. Marcelo Paiva, sobre infarto: Saiba mais ​​ Agendamento​ ​

Quanto tempo antes do infarto os sintomas aparecem?

Por todos esses motivos, é essencial consultar o Médico Cardiologista – De acordo com Felipe Gavranic dos Reis, especialista em Cardiologia e Médico Cardiologista da CCRmed, o paciente normalmente apresenta sinais entre uma e até duas semanas antes do infarto e costuma recorrer ao pronto-socorro para ser medicado.

“É necessário ficar atento a qualquer sintoma diferente do habitual para saber como está o funcionamento do coração, já que alguns desses sintomas podem indicar que o músculo cardíaco não está recebendo sangue de forma adequada.” Aqui, vale lembrar que não é preciso sentir dor para procurar um Médico Cardiologista.

O, por exemplo, é um dos métodos mais eficazes para verificar como anda o funcionamento do seu coração. Todo cuidado com o corpo é mais que bem-vindo para mantê-lo bem protegido. Nossas informações foram úteis? Lembre-se: com os exames em dia, fica bem mais fácil manter seu coração protegido.

O que é um Pré-infarto?

– O que é um Pré-Infarto? – Pré-infarto é o estado do organismo que antecede a ocorrência da doença, em que o corpo começa a dar sinais de que o problema pode acontecer, como fadiga e sonolência, falta de ar, fraqueza, tontura, suor frio, entre outros. O pré infarto pode começar a manifestar sintomas até mesmo 30 dias antes da ocorrência do infarto em si.

Quando a dor muscular é preocupante?

Quando a dor muscular pode ser preocupante? A dor muscular pode ser preocupante quando se manifesta de forma mais intensa ou persistente, levantando dúvidas sobre sua origem.

Como é a dor de um músculo inflamado?

A sensibilidade e a dor podem ser sintomas de lesões nos músculos e podem ser sentidas quando estamos em movimento ou em descanso. Quando um músculo está lesionado, a inflamação pode causar dor e inchaço. Pode ocorrer maior sensibilidade ao tocar ou mover o músculo.

Onde se localiza a dor muscular?

Sintomas de dores musculares – A dor muscular afeta principalmente os músculos dos braços, pernas, costas, ombros, abdômen e quadris, mas qualquer músculo do corpo pode ser afetado. Esta dor pode ser acompanhada por vários sintomas:

Dores inquietas; Dormência; Rigidez muscular; Comichão; Uma sensação de queimação; Dores lancinantes; Dificuldade ou desconforto ao realizar determinados movimentos; Inchaço.

O que pode ser confundido com ataque cardíaco?

Dor no peito é sinal de problemas cardíacos? –

  • A principal preocupação das pessoas, ao sentir algum incômodo na região do peito, é sem dúvida um infarto ou ataque cardíaco.
  • Para que você seja capaz de identificar a dor provocada por um infarto, esse problema ocorre quando as artérias não são capazes de levar a quantidade necessária de sangue ao coração, provavelmente por algum entupimento – parcial ou total.
  • A dor no peito, provocada por esse motivo, pode então se manifestar como uma sensação de compressão, queimação ou aperto no tórax, e também vir acompanhada de outros sintomas.
  • Porém, embora a dor no peito seja, de fato, o sintoma mais comum do ataque cardíaco, ela pode ser um alerta para problemas que não estão relacionados ao coração.
  • Os mais comuns são:
  • 1. Dores musculares
  • Atividades físicas muito intensas podem inflamar e enrijecer os músculos, o que pode vir a causar dores musculares no peito,
  • Embora sejam mais comuns depois de treinos e atividades com esforço acima do que a pessoa está habituada, situações comuns do dia a dia, como tossir ou levantar objetos pesados também podem provocar dores musculares.

Existem ainda os episódios de dores musculares na região próxima à área cardíaca, sem motivo aparente, geralmente provocadas por espasmos musculares involuntários ou mesmo algum tipo de distensão. Nesses casos, a queixa de dor não costuma ser muito intensa e geralmente passa espontaneamente, após algum tempo.

  1. O ecocardiograma é um dos principais exames usados para avaliar a saúde do coração. Conheça as doenças que ele é capaz de diagnosticar:
  2. 2. Doenças respiratórias e pulmonares
  3. Doenças como pneumonia, bronquite e embolia pulmonar podem causar dores no peito que se confundem com as cardiovasculares, nas pessoas que desconhecem as características desses problemas.
  4. Em geral, as dores de origem pulmonar se manifestam quando respiramos fundo e vêm acompanhadas de sintomas como tosse, febre e mudança no ritmo e na qualidade da respiração; sinais que não costumam estar associados a problemas cardiovasculares.
  5. Doenças cardíacas muitas vezes são silenciosas, o que as torna ainda mais perigosas. Aprenda a identificar alguns sinais que elas podem dar:
  6. 3. Problemas gástricos e digestivos
  7. Refluxo, gastrite, úlceras e até mesmo o acúmulo de gases podem causar dores no peito, graças à proximidade do estômago, do esôfago e do intestino com a região onde fica o coração.
  8. Particularmente no caso do refluxo, a dor no peito pode ser bem semelhante à do ataque cardíaco e, por isso, é frequentemente confundida com um problema cardiovascular.
  9. Dores na região do estômago podem ter diferentes causas. Neste artigo você vai aprender o que pode ser:
  10. 4. Ansiedade
  11. Episódios em que a ansiedade se manifesta fisicamente, como em ataques de pânico, costumam gerar dores no peito e, por isso, também são muito confundidos com ataques cardíacos.
  12. Outros sinais importantes para identificar uma crise de ansiedade é que, geralmente, esses episódios são acompanhados de tremores, náusea, palpitação e falta de ar.
  13. A vida moderna tem trazido muitas conquistas, mas também desafios para as mulheres. O que tem elevado o risco de doenças:
You might be interested:  Como Escrever Um Livro?

Quais doenças podem ser confundidas com infarto?

Confundida com infarto, síndrome de Takotsubo avança entre as mulheres As doenças cardiovasculares matam mais as brasileiras do que o câncer de mama, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia: 54% das mulheres morrem por doenças do coração, enquanto o câncer de mama é a causa de morte de 14%.

  • Com a pandemia, uma doença pouco falada vem avançando entre elas e pode ser confundida com infarto, trata-se da síndrome de Takotsubo, ou síndrome do coração partido.
  • Segundo a cardiologista do ambulatório de Tabagismo do Hospital Vila da Serra, Patrícia Lages, durante a pandemia houve um aumento de quatro a cinco vezes no diagnóstico dessa patologia, também observada em homens.

“O estresse gerado pelo atual cenário, o medo do contágio do novo coronavírus, a perda de entes queridos, a piora da condição psico socioeconômica, tudo isso contribuiu para o agravamento da doença”, esclarece a médica. Isso porque a síndrome de Takotsubo é uma cardiomiopatia induzida por estresse agudo e intenso.

  • Há uma descarga acentuada de adrenalina que causa uma desordem transitória, na maioria das vezes, e segmentar no ápice do ventrículo esquerdo”, informa Dra.
  • Patrícia Lages.
  • Além da depressão, transtornos do humor e de ansiedade, a síndrome tem como fatores de risco hiperten são arterial sistêmica (HAS), dislipidemia, obesidade, estado de mal epiléptico (EME) e história familiar de doenças cardiovasculares.

“A menopausa também é um importante ponto de atenção, pois há uma relação entre o aparecimento da condição e a queda de estrógeno, hormônio feminino que protege os vasos do coração”, elucida. A cardiologista do Hospital Vila da Serra descreve que o quadro clínico da síndrome de Takotsubo é semelhante ao infarto agudo do miocárdio, com falta de ar, dor no peito, sudorese, arritmias, fadiga e tontura, porém a diferença crucial é que no primeiro caso, durante análise pelo cateterismo, os vasos permanecem normais, sem obstrução, ou seja, não há entupimento nas artérias.

“Apesar de não haver tratamento específico para a condição, os medicamentos utilizados são praticamente os mesmos indicados em situações de insuficiência cardíaca associada ao infarto do miocárdio. Técnicas de relaxamento e meditação também podem trazer alguns benefícios “, acrescenta Dra. Patrícia Lages.

: Confundida com infarto, síndrome de Takotsubo avança entre as mulheres

Como saber se estou tendo um infarto ou uma crise de ansiedade?

SINTOMAS DA CRISE DE ANSIEDADE – A crise de ansiedade é um quadro temporário, que geralmente é desenvolvido após alguma,

Dor no peito como se o coração estivesse sendo espetado Nervosismo Formigamento nos dedos Sensação de falta de ar Pensamentos descontrolados como medos irreais

Uma das principais diferenças com relação à dor no peito é que no infarto ela irradia e na crise de ansiedade, não. Em casos de crise de ansiedade, é indicado uma consulta com um médico psiquiatra.

O que é um Pré-infarto?

– O que é um Pré-Infarto? – Pré-infarto é o estado do organismo que antecede a ocorrência da doença, em que o corpo começa a dar sinais de que o problema pode acontecer, como fadiga e sonolência, falta de ar, fraqueza, tontura, suor frio, entre outros. O pré infarto pode começar a manifestar sintomas até mesmo 30 dias antes da ocorrência do infarto em si.

Quais são as dores do infarto como não Confundi-las?

Para ficar de olho: 7 sinais de infarto – 1 – Dor fixa no peito “Um sintoma de infarto evidente é uma dor muito forte, na região do tórax. Algo que também pode irradiar para braços, costas, pescoço e até mesmo para a mandíbula. O problema pode ocorrer em momentos distintos, tanto em situações de muito esforço e estresse como em ocasiões de descanso”, alerta o dr.

Marcelo Machado de Castro, cardiologista e coordenador da especialidade da Prevent Senior.2 – Sensação de compressão e ardor no peito O ardor no peito, em casos de infarto, pode ser confundido com uma azia. Já a sensação de compressão no tórax, por mais de 20 minutos, também é um sinal de alerta.3 – Excesso de transpiração É um sinal de alerta importante quando ocorre sem razão aparente, particularmente quando associado a falta de ar e dor no peito.4 – Falta de ar A falta de ar em repouso também é, assim como a dor no peito (sensação de compressão ou ardência no tórax, por mais de 20 minutos), um sinal de alerta, reforça Castro.5 – Náuseas, vômitos e tonturas Todos os sintomas apontados, como a dor no peito e a falta de ar, podem levar a náuseas, vômitos e tonturas.

Ao médico, cabe o papel de diferenciar o infarto de um desconforto digestivo ou relacionado a outros órgãos, por meio de exames específicos.6 – Desmaios Podem ocorrer devido a arritmias ou alterações da pressão arterial durante episódio de infarto agudo do miocárdio. É comum confundir sinais de infarto com os sintomas de uma crise de ansiedade.

Quanto tempo antes do infarto os sintomas aparecem?

Por todos esses motivos, é essencial consultar o Médico Cardiologista – De acordo com Felipe Gavranic dos Reis, especialista em Cardiologia e Médico Cardiologista da CCRmed, o paciente normalmente apresenta sinais entre uma e até duas semanas antes do infarto e costuma recorrer ao pronto-socorro para ser medicado.

“É necessário ficar atento a qualquer sintoma diferente do habitual para saber como está o funcionamento do coração, já que alguns desses sintomas podem indicar que o músculo cardíaco não está recebendo sangue de forma adequada.” Aqui, vale lembrar que não é preciso sentir dor para procurar um Médico Cardiologista.

O, por exemplo, é um dos métodos mais eficazes para verificar como anda o funcionamento do seu coração. Todo cuidado com o corpo é mais que bem-vindo para mantê-lo bem protegido. Nossas informações foram úteis? Lembre-se: com os exames em dia, fica bem mais fácil manter seu coração protegido.